E o Oscar 2012 foi para… (avaliação online dos premiados)


Boa noite, pessoal!

Repetindo a dose dos últimos anos, hoje vou comentar por aqui, com vocês, sobre os vencedores da premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood.

A ideia continua sendo a mesma: conforme os nomes dos premiados forem saindo, vou atualizando esta página.

Este ano, como não estou trabalhando no jornal, comecei a acompanhar os bastidores sobre a premiação mais cedo. Foi assim que eu soube da primeira ausência confirmada da noite: Halle Berry. A atriz, que apresentaria uma das categorias da noite ao lado de Tom Hanks, confirmou que estará ausente.

O motivo: ela continua com problemas de locomoção por causa do pé quebrado – conta a lenda que ela se acidentou ao correr para ajudar a filha, Nahla, quando ela estaria indo atrás – ou sendo perseguida? – por uma cabra na Espanha. Uma pena a atriz, premiada com um Oscar por Monster’s Ball, não comparecer ao Oscar. Afinal, todos os anos, ela aparece na lista das mais elegantes e bem vestidas.

Este ano a Academia inovou com uma cobertura interessante no Twitter. Por ali eles alimentam a curiosidade dos aficionados pela premiação com fotos interessantes, feitas com a ferramenta Instagram. A que abre esta página foi divulgada por este canal e mostra a primeira visão dos astros e estrelas quando eles chegam no local da premiação e desembarcam de suas limusines. Como vocês podem ver, o clima de “cinema antigo” não ficou restrito aos dois grandes indicados deste ano no Oscar, The Artist e Hugo, mas também em parte da decoração da festa. Hollywood parece mesmo mergulhada no passado cheio de autorreferência.

Dois canais de TV por assinatura e um canal de TV aberta transmitem a cerimônia do Oscar este ano. Logo mais, as 19h30min, o E! começa a transmitir ao vivo do tapete vermelho. O canal TNT fará o mesmo, a partir das 20h30min. A cerimônia de premiação está prevista para começar entre as 21h e as 21h30min. Assim que as primeiras informações começarem a surgir, farei novas atualizações.

Voltei, minha gente! Faltou energia elétrica na minha casa, vocês acreditam? Mas daí uma super amiga me ajudou, dando abrigo, conexão à internet, TV e até suquinho de uva. Então falemos de Oscar. 🙂

Agora estou acompanhando o tapete vermelho pela transmissão da E! Há pouco apareceu o George Clooney, elegantérrimo, como sempre. E agora, Viola Davis, com um vestido verde de Vera Wang e cabelos bem curtinhos. Os comentaristas de moda elogiaram o vestido justo de Davis, assim como os trajes de Stacey Clooney (dourado) e Rooney Mara (branco).

Há pouco, às 20h53min, no tapete vermelho esteve Michelle Williams em um vestido vermelho de Louis Vuitton. Linda. A atriz comentou que ao interpretar Marilyn Monroe ela descobriu muito sobre a diva, especialmente mais sobre o talento e a tristeza dela.

A favorita na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante, Octavia Spencer, é entrevistada no tapete vermelho. Ela disse que amanheceu nervosa, e que não preparou nenhum discurso. Comenta que gosta de competir e que, caso ganhe, não deixará de falar nada. Spencer disse que fez uma festa com o elenco de The Help dois dias antes do Oscar.

Jean Dujardin apareceu agora, às 21h06min, comentando que estava um pouco nervoso e responde ao entrevistado, sobre ser o primeiro francês que pode ganhar um Oscar, que isso só vai se concretizar se ele ganhar. Bem humorado, ele não escondeu o nervosismo, mas estava muito elegante. Aliás, a disputa de melhor ator desta noite também é uma boa quebra-de-braço para saber qual dos dois maiores concorrentes – George Clooney e Dujardin – também estão mais bem vestidos.

O polêmico Sacha Baron Cohen chegou há pouco, por volta das 21h05min, vestido de ditador. Ele disse que está vestindo John Galliano. Com barba longa e óculos azuis, ele carregava uma urna com “as cinzas” do ex-ditador Kim Jong-il, da Coreia do Norte. Cohen descarregou “as cinzas” no apresentador do canal E!.

Jessica Chastain, uma das atrizes de destaque da última temporada, apareceu fazendo furor em um vestido preto e dourado. Bela naturalmente, ela ficou ainda mais destacada com a roupa. Pelos comentários de quem acompanha o Oscar, ela já está na lista das mais bem vestidas da noite.

O casal Melanie Griffith e Antonio Banderas apareceram agora, às 21h23min, no tapete vermelho. Banderas comenta que é um prazer estar na cerimônia do Oscar.

Um pouco atrasado o início da festa, que estava previsto para começar às 21h30min.

Colin Firth, que ganhou o Oscar de Melhor Ator no ano passado, comenta sobre o ritual de participar este ano entregando um prêmio. Ele comenta que há preparação para este momento, e que a vantagem é que a pressão deste ano não está sobre ele, mas sobre os novos indicados.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood disponibiliza neste link as fotos do tapete vermelho. Dá uma conferida lá e procure os seus atores e atrizes favoritas.

Penélope Cruz, com um sotaque muito acentuado e, consequentemente, com um inglês estranho, aparece com um vestido Giorgio Armani Privé. O traje é lindo, mas o cabelo dela me pareceu um tanto descompassado e/ou estranho demais para a ocasião.

São 22h, e não há sinal da premiação começar. Os apresentadores dos canais E! e TNT se desdobram para falar dos vestidos e das joias das estrelas enquanto o melhor da festa não começa. Segundo a contagem regressiva do canal TNT e da própria Academia, a entrega vai começar as 22h30min, mesmo horário do ano passado.

Na entrada do teatro, Gwyneth Paltrow também causou alvoroço com um vestido lindo de Tom Ford. Brad Pitt comenta que o tapete vermelho é muito mais simples para os homens. Em seguida, o TNT mostra Sandra Bullock, que este ano não se preocupou muito com a roupa com a qual deveria aparecer – ela não chamou muito a atenção e foi ofuscada pelas outras celebridades.

A dúvida para logo mais é sobre a ordem da entrega das estatuetas. Nos últimos três anos a ordem foi diferente. No Oscar 2011, a premiação começou com Melhor Direção de Arte e Melhor Fotografia. Em 2010, as primeiras estatuetas foram entregues para Melhor Ator Coadjuvante e Melhor Animação. E em 2009, com Melhor Curta de Animação e Melhor Atriz Coadjuvante.

Dentro do teatro, Natalie Portman, linda em um vestido longo vermelho, elogia Billy Crystal, apresentador do Oscar deste ano. Esta é a nova vez que o comediante assume o comando da premiação.

Agora sim, pontualmente às 22h30min, começou a apresentação do Oscar com Morgan Freeman. Ele comentou que a festa de 84 anos celebra o presente do cinema e relembra o passado.

Como manda o figurino, Billy Crystal apareceu parodiando os filmes que estão concorrendo ao Oscar de Melhor Filme. As “homenagens” começaram com The Artist e seguiram com The Descendants, quando Crystal assumiu o lugar da mulher do personagem do George Clooney e foi “beijado” na boa.

Depois, ele apareceu em Moneyball e Midnight in Paris, fazendo piada com Justin Bieber. Dali, ele migra para The Help, alimentando-se do bolo “delicioso” de Mimi. Passa então para o filme Hugo, satirizando como o 3D faz coisas – trazendo Tom Cruise para dentro da história, por exemplo. Crystal ainda brinca com Tintin, Harry Potter, The Tree of Life, The Iron Lady e todos os outros filmes indicados em alguma categoria desta noite.

Sobre o palco, ele lembra que esta é a nona vez em que ele apresenta o Oscar. Antes e a partir daí, ele brincou com os nomes dos filmes que concorrem na categoria principal, de Extremely Loud & Incredibly Close até War Horse. Claro que ele cantou, fazendo piada com Dujardin e Spielberg através de versões de músicas famosas. E seguiu nesta linha, resgatando seu velho estilo de apresentar a premiação. Como sempre, mais engraçado entre seus pares do que para o público.

Para apresentar o primeiro prêmio da noite, o ator e diretor Tom Hanks. Ele comentou que toda festa do Oscar é especial. Em seguida, foram apresentados os indicados ao Oscar de Melhor Fotografia… que foi ganho por Hugo (A Invenção de Hugo Cabret). Robert Richardson agradeu a todos que o ajudaram, especialmente Scorsese, e dedicou o prêmio a todos os cineastas do passado, do presente e do futuro.

Hanks também apresentou rapidamente os indicados em Melhor Direção de Arte. Outro prêmio para o filme dirigido por Martin Scorsese. O premiado, Dante Ferretti, agradeceu especialmente ao diretor de Hugo. Francesca Lo Schiavo, que também recebeu o prêmio, dedicou ele a Scorsese e para a Itália.

Como esperado, Hugo começou vencendo em categorias técnicas. Surpreendeu um pouco em direção de fotografia, já que ele tinha três grandes concorrentes este ano: The Tree of Life (A Árvore da Vida), The Artist (O Artista) e War Horse (Cavalo de Guerra). Essa era, aliás, a grande chance de The Tree of Life não sair do Oscar de mãos abanando.

A tendência é que Hugo ganhe quase todos os prêmios técnicos, mas que os principais sejam abocanhados por The Artist. Se isso não acontecer, talvez Hugo se consagre com um número expressivo de estatuetas.

Depois dos comerciais, Crystal brinca dizendo que o nome do teatro não pode ser dito – por causa da falência da Kodak. Independente disto, ele comenta que a magia do cinema continua. E daí começou o resgate de alguns clássicos do cinema, entre outros, Titanic, Ghost, Avatar, Tubarão, Indiana Jones, O Poderoso Chefão, O Exorcista, Star Wars, entre outros. Claramente uma edição do Oscar que olha e bate palmas para o passado.

Em seguida, o “sonho recorrente” de Crystal, a dupla Cameron Diaz e Jennifer Lopez apresentaram a categoria Melhor Figurino. E o Oscar foi para… The Artist, recebido por Mark Bridges. Ele agradeceu a todas as pessoas que fizeram parte do filme e lembrou a infância, dizendo que sempre sonhou em fazer filmes e agradeceu a Academia por tornar o sonho dele realidade.

Cameron Diaz e Jennifer Lopez apresentaram os indicados a Melhor Maquiagem. Viradas de costas, as atrizes revelaram os vencedores: Mark Coulier e J. Roy Helland, de The Iron Lady (A Dama de Ferro). Esperadíssimo esse prêmio, e bastante aplaudido. Os premiados agradeceram muito ao trabalho de Meryl Streep, que dá autenticidade para a personagem de Margaret Thatcher e sentido para o trabalho deles.

Começou então a passar um vídeo em que vários atores entraram em cena para falar sobre seus momentos especiais com o cinema. Entre outros, Morgan Freeman, Brad Pitt, Ben Stiller, Tom Cruise.

Até o momento, nenhuma grande surpresa. Exceto por Melhor Fotografia, que tinha como favorito o filme The Tree of Life. Mas também não se pode dizer que seja uma surpresa completa a Academia se esforçando para dar muitos prêmios para Hugo. Por este começo, podemos esperar um equilíbrio entre os prêmios para o filme de Scorsese e The Artist.

Na volta dos comerciais, Sandra Bullock apresentou os candidatos na categoria Melhor Filme em Língua Estrangeira. Ela brinca que falará também em outras línguas, mais especificamente em mandarim. Mas acaba falando sobre a beleza do cinema em alemão. E o Oscar foi para… A Separation (A Separação). Bola cantadíssima. Seria estranho se ele não tivesse levado. Merecido.

O diretor, Asghar Farhadi falou em nome dos iranianos que sofrem com privações e dedicou o prêmio a eles, assim como a todos os povos que passam por conflitos e dificuldades.

O belo Christian Bale apareceu em seguida para apresentar a categoria de Melhor Atriz Coadjuvante. As candidatas apareceram em cenas escolhidas e sentadas na platéia. Especialmente lindas Bérénice Bejo e Jessica Chastain.

E o Oscar foi para… Octavia Spencer. Ela foi amparada pelas pessoas que estavam ao seu redor, especialmente as outras atrizes de The Help (Histórias Cruzadas). Também foi aplaudida de pé e ovacionada. Como previsto na bolsa de apostas, ela chorou. 🙂 E agradeceu à Academia por colocá-la junto de um dos “caras mais bonitos” da festa. Agradeceu à família e ao elenco de The Help.

Vocês lembram da dinâmica do palco do Oscar no ano passado? Saiu de cena. A premiação este ano voltou para o clássico. Um palco com um telão, coberto a maior parte do tempo por uma grande cortina.

Na volta dos comerciais, Tina Fey e Bradley Cooper apresentaram os indicados em Melhor Edição. Os indicados, desta vez, falaram rapidamente sobre os seus trabalhos. E os premiados foram Angus Wall e Kirk Baxter, editores de The Girl with the Dragon Tattoo (Millenium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres). Eles já haviam sido premiados no ano passado por The Social Network (A Rede Social).

Os apresentadores anunciaram então os vencedores em Edição de Som: Hugo. Philip Stockton e Eugene Gearty subiram ao palco para agradecer às suas equipes. Tina Fey e Bradley Cooper emendaram com Melhor Mixagem de Som. E o Oscar foi para… Hugo. Subiram ao palco Tom Fleischman e John Midgley. Eles agradeceram, como manda a regra, para as suas equipes e Scorsese, em especial.

Até o momento, o placar marca Hugo 4 x 1 The Artist. Como as categorias entregues até agora foram técnicas, isso era esperado. Quando começarem as principais, poderemos ter uma ideia melhor sobre o resultado final da noite… se será equilibrado ou penderá para Hugo.

Na volta do comercial, a dupla Caco, o Sapo e Miss Piggy apareceram em cena. E depois deles, a melhor apresentação da noite, com o Cirque du Soleil reproduzindo algumas das melhores cenas da história do cinema. Trapezistas, malabaristas, dançarinos com acrobacias atléticas de todos os tipos deram um show.

Após a apresentação, Gwyneth Paltrow e Robert Downey Jr. apresentaram a categoria Melhor Documentário. Ele fez uma entrada extra dramática. E brincou que estava fazendo um documentário chamado O Apresentador. A melhor piada da noite. Downey Jr. pediu para ela não interrompê-lo porque ele teria que colocar o vídeo daquele momento no Netflix em seguida. Ele diz que recusou participar de The Descendants, e que está fazendo algo muito inovador: um documentário ao vivo. Paltrow responde que isso se chama noticiário. 🙂

E o vencedor foi… Undefeated, um documentário sobre um jogador que estava por baixo e que conseguiu dar a volta por cima. Subiram ao palco para receber o prêmio os diretores Daniel Lindsay, T.J. Martin e Rich Middlemas. O discurso deles foi interessante, mas longo demais – tanto que o áudio foi cortado.

Chris Rock, sempre exagerado – um tanto “over” – subiu ao palco para apresentar aos filmes que concorrem como Melhor Animação. E o favoritíssimo Rango ganhou a estatueta. O diretor Gore Verbinski discursou comentando que não sabe se o filme foi feito para crianças, mas que ele foi realizado por adultos que se sentem crianças. E seguiu agradecendo aos produtores e outras pessoas da equipe, assim como a mulher e a família.

Na volta dos comerciais, Billy Crystal aparece saindo do camarim, mas é interrompido, na porta, por Melissa McCarthy, que faz malabarismos com as pernas para impedir a saída dele da porta. Ben Stiller e Emma Stone subiram ao palco para apresentar a categoria Melhores Efeitos Visuais. Ela comenta que esta era a primeira vez dela no prêmio e quer prolongar o tempo sobre o palco.

Novamente os concorrentes foram apresentados por alguns de seus realizadores. E o Oscar de Melhores Efeitos Visuais foi para… Hugo. Subiram ao palco os vencedores Robert Legato, Joss Williams, Ben Grossmann e Alex Henning. Novamente, agradeceram muito o visionário Scorsese. Que deve receber, logo mais, a estatueta de Melhor Diretor – pelo menos este é o palpite principal das bolsas de apostas.

Melissa Leo subiu ao palco para apresentar os indicados ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante. Foram apresentados trechos de suas interpretações e a clássica cena deles na platéia. E o premiado foi… Christopher Plummer, por Beginners.

Aos 82 anos, ele foi aplaudido de pé e agradeceu com reverências. Olhando para a estatueta do Oscar, ele brincou que ela tem apenas dois anos a mais que ele. Disse que preparava o discurso desde pequeno. Agradeceu a vários atores e aos companheiros do filme que lhe rendeu o prêmio, assim como a quem lhe deixou fora da cadeia, e para a “sofrida” mulher, que lhe ajudou a ser salvo de si mesmo.

Agora, faltam poucos prêmios antes de serem anunciadas as categorias principais. E de sabermos se o Brasil vencerá em Melhor Canção. Antes, Billy Crystal anuncia Penélope Cruz e Owen Wilson. Ela com aquele cabelo estranhíssimo… Eles apresentaram trechos do trabalho dos compositores que concorrem em Melhor Trilha Sonora. Belo trabalho de apresentação, mostrando partituras inseridas em cenas dos respectivos filmes e interagindo com elas.

E o Oscar foi para… The Artist, para o compositor de Ludovic Bource. Que maravilha! Merecidíssimo. A trilha sonora de The Artist é fundamental para a produção. E assim, o filme favorito da noite ganha a sua segunda estatueta. Com um sotaque muito acentuado, ele fez um discurso emocionado, agradeceu muito à Academia e terminou mandando beijos para a mulher.

Os comediantes Will Ferrell e Zach Galifianakis chegaram vestidos de músicos de banda, todos de branco, para apresentar a categoria Melhor Canção Original. E agora o Brasil, com 50% de chance de ganhar… E o premiado foi Bret McKenzie por The Muppets. As bolsas de apostas já tinham cantado essa bola. McKenzie disse que sempre acompanhou os personagens, e agradeceu a todos os envolvidos no trabalho, assim como a sua família. E o Brasil, novamente, ficou sem a estatueta – na melhor chance que teve até hoje de conseguir uma.

Na volta, Billy Crystal se enrolou para apresentar Angelina Jolie, a “garota que tinha a tatuagem original do dragão”. Com uma voz macia e presença maravilhosa, a atriz comentou sobre o trabalho dos roteiristas, citando que aqueles que fazem adaptação, devem ser fiéis à obra original e, ao mesmo tempo, apresentarem identidade própria. Foram apresentados os concorrentes na categoria Melhor Roteiro Adaptado. E o Oscar foi para… The Descendants (Os Descendentes).

Subiram ao palco Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash. Payne apresentou os outros roteiristas e brincou dizendo que apresentava o respeito deles aos outros nomeados. Agradece Clooney e a escritora do romance original. Muito bacana o discurso, aliás. Em seguida, ele agradece à mãe – uma parte, inclusive, em grego. Uma das melhores falas da noite. E os favoritos ganharam, mais uma vez.

Em seguida, Jolie apresentou os candidatos a Melhor Roteiro Original. Novamente, o favoritíssimo, Woody Allen, venceu pelo excelente roteiro de Midnight in Paris (Meia-Noite em Paris). Mas ele não apareceu para receber a estatueta, o que já era esperado também. Daí entraram os vídeos de mais atores comentando sobre os seus gostos no cinema. Entre outros, Reese Whiterspoon, Sacha Coen, Steve Carell, Brad Pitt e Morgan Freeman.

No retorno, a maravilhosa Milla Jovovich entrou em cena. Uma bela substituição de Angelina Jolie. Ela apresentou as novidades técnicas reconhecidas pelo Oscar em uma cerimônia especial e que sempre antecede a noite de gala. Crystal então chamou as seis atrizes que estrelam Missão Madrinha de Casamento. Elas apresentaram os candidatos nas três categorias de curtas-metragens do Oscar.

Como Melhor Curta-metragem venceu The Shore, dirigido por Terry George. Ele levou com ele, para o palco, a filha, produtora, e dedicou o prêmio para os irlandeses. Ela, dedicou-o à mãe. Em seguida, os indicados a Melhor Documentário em Curta-metragem. E o Oscar foi para… Saving Face, sobre mulheres que são atacadas com ácido no Paquistão. As sobreviventes lutam por justiça e pela recuperação de suas saúdes. Subiram ao palco Daniel Junge e Sharmeen Obaid-Chinoy. Os dois homenagearam os paquistaneses, especialmente aos médicos que trabalham para restaurar os rostos das mulheres atacadas. Eles foram bem aplaudidos – apenas o Morgan Freeman ficou impassível.

Para fechar a lista, os candidatos a Melhor Curta-metragem de Animação. O premiado foi The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore, que utiliza técnicas variadas e que faz uma ode de amor aos livros. Subiram ao palco William Joyce e Brandon Oldenburg. Eles se classificaram como contadores de histórias, e afirmaram que o cinema lhes tocou mais do que poderiam imaginar.

E agora sim, na volta dos comerciais, a reta final com as principais categorias da noite. Michael Douglas entra em cena para apresentar a categoria Melhor Diretor. Ele explica o trabalho do diretor, comentando sobre o trabalho exaustivo dele em tornar uma ideia original e visionária realidade.

Atores fundamentais em cada uma das produções que estão concorrendo nesta categoria falam sobre os seus diretores. E o Oscar foi para… Michel Hazanavicius. Ele é o primeiro francês a ganhar um Oscar.

E ainda que eu goste muito de Martin Scorsese, o favorito da noite, devo dizer que Hazanavicius merece esta estatueta. Muito! O trabalho dele é primoroso em The Artist. E a verdade é que, este ano, mais de um diretor merecia a estatueta.

Billy Crystal então brinca com Meryl Streep, a atriz indicada 17 vezes a um Oscar – e que, até agora, ganhou apenas em duas ocasiões. Em um vestido dourado e com óculos discretos, ela apresenta os Oscar’s honorários deste ano para Dick Smith, James Earl Jones e Oprah Winfrey. Os ganhadores dos prêmios especiais foram aplaudidos de pé pelo público.

Até agora, o Oscar seguindo como já era previsto em praticamente todas as categorias. A maioria dos prêmios técnicos ficando com Hugo e boa parte dos principais com The Artist.

Depois dos comerciais, mais um momento clássico da noite do Oscar: a homenagem às personalidades mortas no ano passado ou mesmo este ano, mas antes da noite de gala. Crystal começou homenageando dois antigos produtores da festa da premiação. E o telão seguiu mostrando outros nomes, como Jane Russel, Ken Russell, Donald Peterman, Whitney Houston, Peter E. Berger, Jack Hayes, Peter Falk, Cliff Robertson, Laura Ziskin, Sidney Lumet, Steve Jobs, Hal Kanter, Gary Winick, Jackie Cooper, Norman Corwin, Ben Gazzara e, fechando a apresentação, Elizabeth Taylor.

Na reta final, os vídeos-depoimento dos atores retornaram, com Julia Roberts, Philip Seymour Hoffman, Edward Norton, Robert Downey Jr., Jonah Hill, Robert De Niro, entre outros. Eles falaram sobre a experiência do cinema, agora como parte desta experiência. Juntando todos os depoimentos, foi um trabalho interessante. Porque mostrou astros como espectadores e como engrenagens da beleza que é a Sétima Arte. Crystal volta brincando que nunca sentiu nada parecido com aqueles depoimentos.

Apresentando a categoria Melhor Ator, Natalie Portman fez um discurso breve para cada um dos concorrentes. Começou com Demián Bichir, estrela de Uma Vida Melhor.

Depois, passou para George Clooney, de The Descendants, comentando que ele conseguiu o impossível: fazer todos acreditarem que ele era um homem comum.

O terceiro foi Jean Dujardin, de The Artist. Portman comentou que a estreia dele para o público dos Estados Unidos não poderia ter sido melhor.

Gary Oldman foi o seguinte, por seu trabalho considerado magistral em O Espião Que Sabia Demais. Portman comenta que esta foi a primeira indicação dele.

Fechando a lista, Brad Pitt, de Moneyball (O Homem que Mudou o Jogo). A atriz comenta que o talento e a inventividade dele fazem as pessoas esquecerem que o filme é sobre beisebol.

E o Oscar foi para… Jean Dujardin. Uau! Bacana. Fiquei feliz. Ele faz um grande, maravilhoso trabalho. Sem ele, O Artista não seria delicioso e carismático como ele é.

Dujardin homenageia Douglas Fairbanks, dizendo que o inspirou, agradece Hazanavicius, o elenco e equipe e, claro, a esposa. Feliz da vida, ele diz que se o personagem dele pudesse falar, agradeceria em alto e bom som – essa última parte discursando em francês.

Para apresentar a penúltima categoria da noite, a de Melhor Atriz, o ator Colin Firth. Ele começou com Glenn Close, de Albert Nobbs, chamando o seu trabalho de impressionante.

Depois, a favorita, Viola Davis, de The Help, uma interpretação emocionante.

A terceira apresentada foi Rooney Mara, de Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres.

Depois, brincando com a expressão mamma mia (título de um filme que eles fizeram juntos), Firth apresentou Meryl Streep, citando o recordo dela de 17 indicações. “Você é boa demais. Qualquer papel que você faça eleva demais o nível, tornando o papel dos outros difícil”, disse o ator.

Fechando a lista, a luminosa Michelle Williams. Firth diz que ela deixou ele estonteado quando eles contracenaram juntos e ela tinha 12 anos.

E o Oscar foi para… Meryl Streep.

Ela não era a favorita nas bolsas de apostas, mas foi muito bacana vê-la subindo ao palco e os demais presentes aplaudindo-a de pé. Ela brinca que, ao ouvir o próprio nome, pensou nas pessoas dos Estados Unidos dizendo: “Ah não, novamente?”. Mas tanto faz, ela disse. Meryl começou agradecendo ao marido e, depois, o cabelereiro e maquiador que a acompanha há várias décadas. Brincando que acha que não vai aparecer ali novamente, ela pede mais tempo, e agradece a todos os seus amigos, novos e antigos. Emocionante. Ela fecha dizendo que o mais importante é o amor e a felicidade que eles sentem e despertam trabalhando no que eles trabalham.

Para apresentar a principal categoria da noite, a de Melhor Filme, Tom Cruise. E daí seguiram as apresentações curtas dos nove concorrentes da noite. Um quadro interessante e intercalado de algumas das melhores cenas de todos eles. A apresentação ressaltou, principalmente, a capacidade de encantar das produções concorrentes. A Academia considerou o Melhor Filme desta temporada… The Artist. E assim, se concretizou a profecia. 🙂 Mais uma vez, o Oscar olhando para o passado e conseguindo reinventar-se. Porque teve coragem, pela primeira vez, de dar um Oscar de Melhor Filme para uma produção de fora de Hollywood. Bem, muito bem.

Subiram ao palco o produtor principal do filme e, mais uma vez, o diretor Michel Hazanavicius. Também premiado esta noite, ele agradeceu a mulher e Billy Wilder. Bacana. Belo final de noite.

Agradeço a você, caro leitor, que mais uma vez esteve por aqui acompanhando os comentários da apresentação do Oscar. Este espaço se explica por tua causa. Abraços e inté!

ATUALIZAÇÃO (dia 27/02): Pessoal, não pude evitar de fazer este adendo hoje. Procurando fotos para ilustrar este post, olha quem eu encontrei na divulgação da noite feita pela Academia: o cãozinho Uggie.

Ele foi o assunto na semana que antecedeu a entrega das estatuetas. Todos perguntavam se iriam deixar ele subir ao palco, caso The Artist ganhasse.

Quando Dujardin levou a estatueta de Melhor Ator, os espectadores ficaram na expectativa… mas ele não foi autorizado a subir.

Ainda assim, ele estava lá, e apareceu nos bastidores fazendo pose. Lindo!

2 comentários em “E o Oscar 2012 foi para… (avaliação online dos premiados)

  1. Alessandra,
    Só torço para não ir para Os Descendentes e nem para O Homem que Mudou o Jogo. Acho que tem que haver outros critérios para escolha de filmes que não sejam o de atores e diretores. Os Descendentes é um filme cansativo e sem mostrar nada que outros filmes de tragédias familiares não tenham mostrado melhor que ele, e George Clooney mais narra do que atua.E O Homem que Mudou o Jogo, apesar de divertido, não acho filme para Oscar.
    Abraços,
    Poliana

    Curtir

    1. Oi Poliana!

      Ufa, ainda bem que nenhum dos dois levou, não é mesmo? Terias ficado chateada. 🙂

      De fato, não acho Os Descendentes tudo aquilo… é bom, mas não é excepcional. Tem boas linhas de roteiro e diálogo, especialmente no início, e os atores estão bem, mas nada fora da curva.

      O Homem que Mudou o Jogo é inteligente, trata de um tema diferente, mas também não era filme para ganhar o Oscar principal.

      Não sei o que você achou do resultado, mas eu gostei.

      Obrigada pela tua visita e teu comentário. Abraços e inté!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s