Dogman

dogman

Um misto de desejar ser aceito por um grupo e dar satisfação para a filha com viagens divertidas. A junção destes dois desejos nem sempre é fácil de ser alcançada. Ao menos, pelas vias “normais”. Dogman nos conta a história de um sujeito comum, trabalhador, que não encontra no seu trabalho cotidiano os recursos para levar a filha única para viajar como ele desejaria.

Isso acaba fazendo com que ele busque outros meios de conseguir dinheiro, e essa busca o leva para caminhos perigosos – e que acabam indo contra aquele desejo de pertencimento ao grupo de “cidadãos de bem” do qual ele se orgulha de fazer parte. Um filme interessante e que nos faz refletir sobre nossas limitações.

A HISTÓRIA: Um cão acorrentado está bastante raivoso. Ele late e mostra os dentes. Ameaça atacar, mas como está preso, a sua capacidade de concretizar isso é limitada. Enquanto isso, Marcello (Marcello Fonte) tenta dar um banho no cachorro. Primeiro, ele espirra alguns jatos de água. Outros cães, presos, observam. Marcello fala com doçura com o cão bravo, mas ele não gosta muito da ideia de tomar banho.

Marcello tenta uma outra técnica, com um pano improvisado sobre o que parece ser uma vassoura. O cão acaba mordendo o pano. Mas Marcello parece ter conseguido avançar, porque ele acaba usando um jato para secar o cão. Essa é a única parte em que ele gosta da experiência. Essa é a rotina de Marcello, que cuida de cães e tem outros desafios em seu cotidiano.

VOLTANDO À CRÍTICA (SPOILER – aviso aos navegantes que boa parte do texto à seguir conta momentos importantes do filme, por isso recomendo que só continue a ler quem já assistiu a Dogman): O protagonista desta produção nos faz pensar sobre algumas questões importantes. Quando alguém vem com a ideia equivocada de “bandido bom é bandido morto”, eu me questiono: mas quem é esse bandido que a outra pessoa quer ver morta? Quem garante que na família dela não existam “bandidos” como o que ela parece odiar à priori? Quem garante que essa própria pessoa nunca vai cometer um crime na vida?

Digo isso porque o protagonista de Dogman, Marcello, parece um bom sujeito sob qualquer ótica que alguém possa observá-lo. (SPOILER – não leia se você não assistiu ainda ao filme). Primeiro, ele ama verdadeiramente os animais – especialmente os cachorros. Ele não trata os cães bem apenas porque este é o seu trabalho – prova disso é quando ele invade novamente uma casa para salvar um cãozinho que tinha sido colocado no congelador pelos seus “amigos” bandidos.

Depois, Marcello é um sujeito que trabalha um bocado para pagar as contas e para trazer pequenos momentos de felicidade para a filha, Alida (Alida Baldari Calabria). Além disso, o protagonista de Dogman tem diversos amigos no bairro, encontrando com essa turma com uma certa frequência – seja no jogo de futebol regular, seja almoçando ou frequentando o bar de um deles. Para muitas pessoas, ele é um cidadão exemplar. Simpático, bem visto por todos, amável, Marcello não parece ter defeitos.

Mas não demora muito para percebermos que existe um outro Marcello que não é conhecido pela maioria. (SPOILER – não leia… bem, você já sabe). Preocupado em garantir ótimas experiências com a filha, que não mora com ele, Marcello vende drogas para ganhar mais dinheiro. O cliente mais costumeiro dele é o “porra louca” Simoncino (Edoardo Pesce). Grande, forte, metido à valente, Simoncino – conhecido também como Simone – é o terror da vizinhança. Literalmente.

Simone é violento e gosta de ser temido. Viciado em cocaína, com bastante frequência ele sai do prumo e parte para cima de alguém. Ou quebra a máquina do bar, ou rouba o restaurante mais próximo, ou cria alguma confusão qualquer. Não por acaso, os vizinhos de Marcello chegam a conversar sobre pagar alguém para dar um fim em Simone. Mas como nem todos concordam com essa “solução”, a conversa termina em impasse.

Marcello parece ser o único amigo de Simone. Essa proximidade faz com que ele vá se envolvendo cada vez mais nas confusões e até nos crimes do “amigo”. Em uma certa noite, Marcello é intimado por Simone para servir de motorista de fuga de um furto. Depois, vem o grande problema (e dilema) da vida do dono do petshop. Por ser vizinho de parede de um comerciante que compra ouro, Simone o “intima” a ceder a chave do local para que ele roube o joalheiro.

Nessa parte, de forma muito inteligente, o roteiro de Ugo Chiti, Matteo Garrone e Massimo Gaudioso, que contaram com a colaboração de Marco Perfetti, Damiano D’Innocenzo, Fabio D’Innocenzo e Giulio Troli, não mostra tudo o que acontece. Assim, fica a critério do espectador interpretar os fatos.

(SPOILER – não leia… bem, você já sabe). Da minha parte, acho sim que Marcello deu uma cópia de suas chaves para Simone. Tanto que, depois que ele sai da cadeia, ele cobra do “amigo” os 10 mil euros que ele estaria lhe devendo. Ora, será que se ele fosse inocente no crime, ele teria cobrado esse dinheiro? E como ele cobraria exatamente 10 mil euros se não tivesse combinado isso com Simone antes? Ele até poderia ter lido sobre a quantia roubada e ter pedido metade, mas acho que faz mais sentido ele realmente ter facilitado o furto,  nesse caso.

Pois bem, antes de ceder para Simone, Marcello chega a comentar que ele não daria as chaves porque era amigo de todos da comunidade e que ele era bem quisto por todos, e que isso ele não iria perder. Mas ele cede, ele se deixa levar pela cobiça de ganhar mais dinheiro e isso acaba sendo o início de seu fim. Bandido como ele é, Simone não paga para o “amigo” o que ele pede, e Marcello perde a cabeça e destrói parte da morto de Simone.

Bem, nem preciso dizer que isso acaba virando uma espiral do caos, não é mesmo? Em troca de ter mais dinheiro para, entre outras coisas, pagar por mais viagens dos sonhos para a filha, Marcello abre mão do respeito que ele tinha na comunidade. Muito rapidamente ele passa a ser desprezado e excluído. Ignorado, ele acaba forçando a barra para cima de Simone, para ganhar mais dinheiro.

No final, como um cão que precisa ser aceito pela matilha, Simone leva o seu “troféu” para a comunidade para que, desta forma, ele receba algum sinal de aceitação novamente. Sim, existe um paralelo interessante entre os homens e os cães nesse filme. Somos pessoas gregárias, que gostam – e precisam, geralmente – viver em grupo, em comunidade.

Acreditando que, por não viver com a filha, ele precisava propiciar as melhores experiências para ela, Marcello se deixa levar pela ambição e perde o que lhe dava sustentação. Justamente o sentimento de pertencer a uma matilha. Essa percepção acaba sendo fatal para ele, que acaba caindo em ações intempestivas e para as quais não existe volta atrás.

Um filme envolvente, muito bem narrado e que não deixa ninguém indiferente. Impossível não se interessar pela história de um sujeito comum que acaba fazendo uma série de escolhas equivocadas e, com isso, colocando a própria vida a perder. Com um belo roteiro e uma direção atenta e cuidadosa, Dogman é um filme interessante sobre as escolhas que fazemos e sobre como, dentro destas escolhas, devemos ter a consciência de que não podemos ter tudo.

Sim, o protagonista desta produção tinha coração e bons valores – tanto que não pensou duas vezes em salvar Simone quando ele é atingido por alguns disparos. Mas nem todos são como ele e, certamente, Simone não era. Ainda que nos solidarizamos com os outros e que Marcello quisesse não abandonar Simone, ele deveria ter aprendido que o melhor que podemos fazer, em algumas situações, é nos afastarmos do mal. Ou, ao menos, não sucumbirmos a ele.

Mas, voltando para o início dessa crítica, algo Dogman deixa bem claro: ninguém está realmente livre de cometer erros e de se envolver em situações muito complicadas, mesmo sem realmente desejar isso. Um “cidadão do bem” como Marcello acaba se enrolando tanto em problemas que depois essa espiral acaba o engolindo. Uma pena. Mas também um alerta.

NOTA: 9.

OBS DE PÉ DE PÁGINA: Honestamente, eu estava cansada e com um certo sono quando assisti a Dogman. Mas o filme é tão envolvente, e os personagens tão bem desenvolvidos, que eu venci o sono facilmente. Acho que um dos grandes méritos do filme é realmente ter poucos personagens importantes e focar nestes personagens – especialmente no protagonista – e nas suas relações. Um belo trabalho dos roteiristas e do diretor Matteo Garrone.

Um dos grandes méritos do filme também é o carisma do protagonista, vivido pelo ator Marcello Fonte. Impossível não desenvolver empatia com ele – mesmo quando tememos e/ou discordamos das suas decisões. Fonte faz um trabalho incrível e franco, trazendo muita legitimidade para o seu personagem e nos fazendo mergulhar na sua história.

O grande parceiro de cena dele é Edoardo Pesce, que dá a vida para o valentão Simoncino (chamado pelo apelido de Simone). Pesce também se sai muito bem no seu papel, mas o seu personagem tem menos camadas que o de Marcello. Assim, claro, como era de se esperar, ele brilha menos que o seu companheiro de cena. Mas faz um belo trabalho, muito convincente também.

Gostei da direção de Matteo Garrone, que sabe fazer uma dinâmica interessante entre diferentes elementos que ajudam a contar e a narrar essa história. O jogo que ele faz entre as pessoas, os animais e aquele bairro um tanto marginalizado da Itália é perfeito. Eis uma alquimia interessante e que faz a história ter os temperos que ela nos apresenta. Afinal, pessoas, animais e lugar são elementos importantes para a trama – nada está ali por acaso.

Além do ótimo trabalho de Marcello Fonte e de Edoardo Pesce, vale comentar o bom trabalho de outros atores com papéis menos relevantes. Fazem um belo trabalho, quando aparecem em cena, Nunzia Schiano como a mãe de Simoncino – uma típica e “clássica” mãe italiana; Adamo Dionisi como Franco, o comerciante que é vizinho de Marcello; Francesco Acquaroli como o proprietário do bar e casa de jogos; Gianluca Gobbi como o proprietário do restaurante; e Alida Baldari Calabria como Alida, filha de Marcello.

Outros atores praticamente só fazem aparições no filme. Com papéis bem menores, vale citar Laura Pizzirani como a mãe de Alida; e Aniello Arena como o inspetor da polícia que prende Marcello.

Entre os aspectos técnicos da produção, vale citar o belo trabalho de Nicolai Brüel na direção de fotografia; de Michele Braga na trilha sonora; de Marco Spoletini na edição; de Dimitri Capuani no design de produção; de Massimo Pauletto na direção de arte; de Giovanna Cirianni na decoração de set; e de Massimo Cantini Parrini nos figurinos.

Dogman estreou em maio de 2018 no Festival de Cinema de Cannes. Depois, o filme participaria, ainda, de outros 13 festivais em diversos países. Nessa trajetória, a produção ganhou 12 prêmios e foi indicada a outros 5. Entre os prêmios que recebeu, destaque para os prêmios de Melhor Ator para Marcello Fonte e o Palm Dog para o elenco canino do filme no Festival de Cinema de Cannes; para o prêmio de Melhor Filme Internacional no Festival de Cinema de Jerusalém; e para os prêmios de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator para Marcello Forte e para Edoardo Pesce, Melhor Edição, Melhor Design de Produção, Melhor Diretor de Casting, Melhor Produtor e Melhor Som conferidos pelo Sindicato Nacional Italiano de Jornalistas de Cinema. Ou seja, na Itália, o filme foi um papa-prêmios. Mas achei muito justo o prêmio de Melhor Ator para Forte em Cannes. Realmente ele faz um trabalho especial nesse filme.

Agora, vale citar algumas curiosidades sobre esta produção. O ator Roberto Benigni foi convidado para fazer o papel de Marcello, mas acabou recusando o papel. Gosto do Benigni, mas achei ótimo que o talento de Marcello Forte acabou sendo evidenciado por causa desta recusa. Ele merecia ser “descoberto” por um público mais amplo.

Esse filme é inspirado em uma história real – apesar de não citar isso. (SPOILER – não leia se você não assistiu ao filme). De acordo com os produtores do filme, Dogman é inspirado em um dos crimes mais infames do pós-guerra na Itália, quando um cuidador de cachorros de 27 anos aprisionou e matou um ex-boxeador que estava fazendo “bullying” contra ele. Talvez a história original não tivesse a complexidade do que vemos em Dogman, por isso eles não citam como baseado em fatos reais.

Dogman é o representante da Itália para a categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira no Oscar 2019. Mas além de ser produzido pela Itália, o filme tem a França como país coprodutor.

Fiquei curiosa por saber mais sobre Marcello Fonte. Ele é um ator italiano com 11 trabalhos no currículo até Dogman – agora, ele está participando das filmagens de outras duas produções. Ele estreou no ano 2000, em uma série de TV, em um papel em que ele não chegou a aparecer nos créditos. O primeiro trabalho dele realmente creditado foi em 2011, no longa Corpo Celeste. Até o momento, Fonte recebeu três prêmios – todos por Dogman. Realmente esse filme o projetou. Bacana.

Matteo Garrone é um belo diretor. Dogman é o 15º trabalho dele como diretor – atualmente ele está em fase de pré-produção de seu décimo-sexto título, Pinocchio. Ele estreou na direção em 1996 com Terra di Mezzo, mas eu o conheci vários anos depois, em 2008, com Gomorra (comentado por aqui). Cheguei a ele, portanto, porque naquele ano Gomorra buscava uma vaga como finalista no Oscar. Ele não chegou lá, mas acabei conferindo o belo trabalho de Garrone por causa disso. Outro filme dirigido por ele, Il Racconto Dei Racconti (ou Tale of Tales), também tem uma crítica aqui no blog. Vale conferir.

Os usuários do site IMDb deram a nota 7,5 para esta produção, enquanto que os críticos que tem os seus textos linkados no Rotten Tomatoes dedicaram 37 críticas positivas e 11 negativas para o filme – o que lhe garante uma aprovação de 77% e uma nota média de 7,5. Achei curioso como a nota do RT é boa, acima da média do site, mas o nível de aprovação é relativamente baixo. No site Metacritic o filme apresenta um “metascore” de 75 – fruto 10 críticas positivas e de 4 medianas.

CONCLUSÃO: O caminho de fazer sempre o que é certo não é cheio de recompensas. Ele exige trabalho, vigília, atenção aos detalhes e às ações. Mas ele traz ao menos uma grande recompensa: dormir de forma tranquila todas as noites sabendo que você não prejudicou ninguém. Isso era o que o protagonista de Dogman queria, inicialmente, mas ele se deixa leva por sua “cobiça” – não para si, mas para presentear a filha – e acaba trilhando um caminho sem volta. Bem narrado, com uma história interessante e um bom elenco, Dogman é um filme singelo com algumas mensagens interessantes. Não é muito inovador ou arrebatador, mas mantém o público atento e até certo ponto envolvido.

PALPITES PARA O OSCAR 2019: Difícil isso de avaliar filmes e, especialmente, de tentar adivinhar o gosto dos participantes da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, viu? Especialmente quando a gente tem, pela frente, filmes tão, mas tão diferentes entre si como este Dogman e os recentemente comentados por aqui, Den Skyldige (com crítica neste link) e I Am Not a Witch (comentado por aqui).

Se eu fosse medir o impacto que cada filme teve em mim, eu diria que Den Skyldige sai na frente, seguido de I Am Not a Witch e de Dogman. Para o meu gosto, se eu tivesse que votar em qualquer um dos três, preferiria Den Skyldige e ficaria em dúvida sobre o segundo colocado. Isso porque Dogman me pareceu uma história mais envolvente, com algumas mensagens que me interessam mais, mas sem dúvida alguma I Am Not a Witch é um filme mais artístico e ousado.

Quais deles tem chances de chegar a uma indicação no Oscar? Puxa, difícil dizer. Acho que Den Skyldige e I Am Not a Witch tem uma vantagem maior, já que são filmes mais ousados, cada um a sua maneira. Apesar de interessante, Dogman segue uma fórmula mais tradicional e, sem demérito algum, até mais previsível. Apesar disso, a temática dele me agrada. Então não seria uma surpresa se os três chegassem a uma indicação, ainda que eu acho que Dogman corre por fora.

Agora, quem poderá realmente arrematar a estatueta dourada? Ainda é prematuro apontar algum vencedor. Faltam muitos filmes para ver ainda – inclusive o que muitos apontam como o favorito, Roma. Então vou pedir para vocês esperarem eu ver a mais concorrentes para poder falar sobre isso, beleza? Mas acho que, mesmo que Dogman chegar até os indicados, ele terá poucas chances de vencer.

Anúncios

I Am Not a Witch

i-am-not-a-witch

Acho difícil eu escrever qualquer frase por aqui que vá te preparar para assistir a I Am Not a Witch. Sim, o título é curioso, por si só. Mas o que vemos em cena está fora de qualquer previsibilidade. I Am Not a Witch começa forte, com cenas impressionantes, e depois destrincha relações e formas de exploração que são difíceis de acreditar, mas que até hoje existem. Depois daquele início potente, o filme perde um pouco de força, mas isso não faz com que ele tenha menos impacto.

A HISTÓRIA: Lentamente, um ônibus com alguns turistas vai se aproximando de um local de “exposição”. Nesse local, preparado justamente com turistas, está um grupo de mulheres que já tem uma certa idade. O ônibus para e os turistas saem. Logo eles são informados sobre o custo do “ingresso”, e uma turista reclama do preço. Mas todos pagam. E todos vêem de perto um grupo de “bruxas”. Os turistas perguntam porque elas estão presas com fitas, e o guia explica que é para elas não saírem voando.

Uma menina que faz parte do grupo pergunta se, quando elas voam, elas podem matar uma pessoa. O guia diz que sim, que geralmente elas voam para isso. Com as fitas, contudo, as “bruxas” são inofensivas. Em seguida, aquelas mulheres fazem gestos “ameaçadores”. Corta. Uma mulher tira um balde com água de um poço e caminha com ele sobre a cabeça. Mas ela cai quando se aproxima de uma menina. Logo essa garota será acusada de ser uma bruxa.

VOLTANDO À CRÍTICA (SPOILER – aviso aos navegantes que boa parte do texto à seguir conta momentos importantes do filme, por isso recomendo que só continue a ler quem já assistiu a I Am Not a Witch): Que história impressionante, minha gente! Honestamente, não sabia o que esperar de um filme com um título como I Am Not a Witch. Mas, certamente, eu não esperava o que nós vemos em cena com esta produção.

Achei o início de I Am Not a Witch especialmente interessante. Primeiro, aquele “safari” humano que inicia a produção… algo realmente espantoso, mas que serve como um importante cartão de visitas do que veremos depois. Impressionante alguns lugares ainda existirem com a lógica que vemos nesta produção. Em que mulheres são acusadas por desafetos e pela ignorância alheia de serem “bruxas”.

Sim, por um lado temos a crendice e as tradições de um povo que ainda acredita em algo como bruxaria. Se algo “estranho” acontece em uma comunidade – e muitas vezes essa estranheza é apenas o medo das pessoas de algo que elas não conhecem -, é porque existe uma bruxa agindo no local. Mas o pior não é a ignorância, a crendice e as tradições sem fundo lógico destas pessoas simples e sem perspectivas na vida.

O pior mesmo, e muito bem explorado por I Am Not a Witch, é a “indústria” que se cria ao redor desta ignorância. Assim, o “governo”, simbolizado nesse filme pelo Mr. Banda (Henry B.J. Phiri) potencializa e explora aquela cultura que acredita em bruxas. As mulheres, que não passam de escravas, são exploradas em trabalhos forçados e também como atrativo turístico.

Especialmente esta exploração turística é de fazer o queixo cair. Quem é pior, uma figura como Mr. Banda, que explora aquelas mulheres daquela forma, ou os turistas que acham “bonito” fazer fotos com mulheres que não são acorrentadas, mas mantidas presas com “rédeas”? Desta forma, a diretora e roteirista Rungano Nyoni critica toda a exploração de quem tem mais recursos sobre aqueles que não tem nada, seja essa exploração feita por governantes ou por quem vem de fora – os turistas.

Até as “bruxas” que são exploradas por Mr. Banda ficam espantadas quando ele apresenta para a Alteza Real a nova integrante daquela comunidade. Afinal, como eles podem considerar uma bruxa uma criança como Shula? A órfã, que aparece em um vilarejo, não conta com a solidariedade de ninguém. Muito pelo contrário, ela acaba sendo levada para a delegacia e acusada de ser uma bruxa para a policial Josephine (Nellie Munamonga).

A policial escuta a todos da comunidade, inclusive a um bêbado (Leo Chisanga) que depõe contra a menina narrando um sonho que teve e no qual ela era uma bruxa. Pressionada por todos os lados, Shula não nega e nem confirma que é uma bruxa, segundo Josephine. Isso é o suficiente para a policial ligar para Mr. Banda que, claro, não desperdiça a chance de ter mais uma escrava que o ajude a faturar.

Diversas cenas de I Am Not a Witch são impressionantes. Chama muito a atenção, além daquela cena inicial com os turistas e as sequências em que Shula é acusada e transformada em uma “bruxa”, as imagens que mostram como as mulheres são exploradas pelo Sr. Tembo (John Tembo). Aquelas estruturas, que parecem enormes carretéis de linha, das quais saem as faixas em que as mulheres são presas, é algo impressionante. Algumas imagens com aquelas estruturas sobre uma carreta são muito simbólicas e impactantes.

Mas não é só em trabalhos forçados em campos e em pedreiras que as “bruxas” são exploradas. A jovem Shula logo será utilizada para outros trabalhos do “governo”. Ela vai decidir quem é inocente ou culpado em um julgamento e tomar outras decisões com base no “desconhecido”. Também será levada para a frente da TV. Fora estes momentos de exploração, vemos como as “bruxas” são tratadas pelas pessoas comuns. Elas são hostilizadas e temidas. Literalmente, muitas vezes, apedrejadas.

Difícil acreditar que até hoje existam pessoas e lugares que funcionem com essa lógica. Com tanta ignorância, com tanta crueldade. Não sei até que ponto este filme é baseado em histórias que seguem válidas até hoje ou é fruto da criatividade de Rungano Nyoni. Mas o fato é que até hoje existe muita crueldade, ignorância e exploração de humanos feita por humanos mundo afora. Nesse sentido, I Am Not a Witch é de arrepiar, pois nos mostra uma realidade que é difícil de aceitar.

Uma qualidade de I Am Not a Witch é que o filme começa muito bem e sabe explorar o talento da protagonista, a jovem Maggie Mulubwa. Ela é a estrela da produção, não há dúvida. A diretora e roteirista Rungano Nyoni também sabe explorar muito bem o talento de pessoas comuns e valorizar o local em que eles vivem. Estes fatores são importantes para a história porque eles ajudam a dar legitimidade para ela e a nos transportar para aquele ambiente que é tão diferente do que estamos acostumados.

Só achei uma pena que o filme acabe perdendo um pouco a força no meio do caminho. Especialmente quando Shula se aproxima da mulher do Mr. Banda. Apesar de curioso, aquele trecho da narrativa realmente não acrescenta muito valor para a história. Também não gostei muito do desfecho da produção. Pressionada, na reta final, Shula acaba comentando que preferia ter “escolhido” ser uma cabra do que uma bruxa.

Apesar de não fazer chover e de perder o “encanto” para o Mr. Banda, Shula não parecia realmente doente perto do final. (SPOILER – não leia se você não assistiu ao filme). Pouco antes de vermos o corpo dela sendo deixado pelos empregados do Mr. Banda para que ela fosse velada pelas velhas bruxas, vemos como ela acorda durante a noite e recolhe toda a sua rédea. Na cena seguinte, estão levando ela em uma carroça para depositá-la no chão para as outras bruxas. Então o que pode ter acontecido?

A resposta para esta pergunta fica em aberto. Da minha parte, acredito que ela tenha tentado fugir e que tenham matado ela por causa disso. Então ela estava cansada daquilo e queria a sua liberdade, mas isso era algo que não poderia ser aceito pelo “governo” local. Entre continuar sendo escrava e ser explorada até a morte, Shula preferiu tentar ser livre e foi sacrificada como uma anciã havia comentado com ela na véspera do que aconteceu.

Para mim, esta é a resposta para aquele final. É como se a diretora estivesse defendendo a ideia de que é melhor morrer tentando ser livre do que viver sendo o que uma pessoa não é – e, no caso de Shula, fazendo de conta que era uma bruxa.

Outra possibilidade é que ele tenha ficado doente e morrido por causa disso. Mas essa falta de conclusão e de definição, achei um recurso desnecessário. Até parece que I Am Not a Witch precisava terminar logo e que o diretor e roteirista teve que correr para finalizar o seu filme. Acho que ele poderia ter tido um pouco mais de cuidado ao arrematar a história.

NOTA: 8,7.

OBS DE PÉ DE PÁGINA: I Am Not a Witch tem algumas “brincadeiras” narrativas interessantes. Primeiro, um certo protagonismo da trilha sonora aqui e ali para dar maior dramaticidade para a história. Depois, alguns “congelamentos” de cenas no momento em que Shula é “testada” como uma bruxa com o sacrifício de uma galinha. Esses recursos chamam a atenção, ainda que não seja, exatamente, inovadores. Mas são detalhes interessantes do trabalho da diretora Rungano Nyoni.

O trabalho da diretora Runagno Nyoni é o ponto forte do filme, assim como a interpretação de Maggie Mulubwa e, em segundo lugar, de Henry B.J. Phiri. Nyoni sabe explorar muito bem o talento de diversos atores evidentemente não profissionais nesse filme. Um belo trabalho. O roteiro de Nyoni também é interessante, ainda que ele vá perdendo força durante a produção e não se sustente com a mesma pegada até o final.

Entre os aspectos técnicos desta produção, vale comentar a ótima direção de fotografia de David Gallego; a marcante e bastante pontual trilha sonora de Matthew James Kelly; a edição cuidadosa, detalhista e competente de George Gragg, Yann Dedet e Thibault Hague; o design de produção de Nathan Parker; a direção de arte de Malin Lindholm; a decoração de set de Clementine Miller; os figurinos de Holly Rebecca; e a maquiagem de Charlene Coetzee, Thwaambo Mujanja e Julene Paton.

Do elenco, o grande destaque é a menina que interpreta Shula, sobre isso não há dúvidas. Maggie Mulubwa faz um trabalho excepcional, e em um papel muito difícil. A expressividade da jovem atriz é algo impressionante. Muitas vezes ela impacta o espectador sem falar nada, apenas com as suas expressões e olhar. Além dela, vale destacar o trabalho de Henry B.J. Phiri como Mr. Banda, o homem do governo que explora mulheres e crianças sem nenhum peso na consciência.

Além deles, estão muito bem as atrizes e atores com papéis menores, mas que tem a sua importância na trama, com destaque para John Tembo como Mr. Tembo, o capataz de Mr. Banda, responsável por controlar as “bruxas” mais velhas; e todas as mulheres que vivenciam essas “bruxas”. Vale citá-las: Janet Chaile, Martha Chig’Ambo, Loveness Chilndo, Joyce Chilombo, Nelly Chipembele, Kalenga Chipili, Mrs. Chishimba, Aliness Chisi, Mary Chulufya, Mariam Chansa Kabunada, Chama Kaifa, Grace Kunda, Mary Lungu, Dina Lupiya, Mandalena, Eneless Mbewe, Joyce Mbomena, Gertrude Mulenga, Magdalena Mumba, Ruth Njobru, Josephine Penti, Lexina Phiri, Fides Sinyangwe e Setrida Zulu.

Apesar da direção de fotografia de I Am Not a Witch ser boa, senti que em diversos momentos do filme temos pela frente cenas muito escuras, o que prejudica algumas partes da produção.

I Am Not a Witch estreou em maio de 2017 no Festival de Cinema de Cannes. Depois, o filme participaria, ainda, de outros 39 festivais em diversos países. Números impressionantes. Realmente um filme de festivais. Nessa sua trajetória, o filme ganhou 16 prêmios e foi indicado a outros 26.

Entre os prêmios que recebeu, destaque para o Prêmio BAFTA de “Outstanding Debut by a British Writer, Director or Producer” para Rungano Nyoni e Emily Morgan; para o prêmio de Melhor Filme dado pelo Festival de Cinema de Adelaide; para o prêmio de Melhor Estreia na Direção para Rungano Nyoni no Festival de Cinema de Estocolmo; e para os prêmios de Melhor Diretora para Rungano Nyoni, “Breakthrough Producer” para Emily Morgan e o prêmio Douglas Hickox para Rungano Nyoni no British Independent Film Awards.

Para quem ficou curioso para saber em que local I Am Not a Witch foi filmado, esta produção foi totalmente rodada na Zâmbia.

I Am Not a Witch foi escolhido pelo Reino Unido para representar o país na categoria Melhor Filme em Língua Estrangeira no Oscar 2019.

Os usuários do site IMDb deram a nota 6,8 para esta produção, enquanto que os críticos que tem os seus textos linkados no Rotten Tomatoes dedicaram 67 críticas positivas e duas negativas para o filme – o que lhe garante uma aprovação de 97% e uma nota média de 7,4. O site Metacritic confere um “metascore” de 80 para o filme, fruto de 17 críticas positivas e de uma mediana.

Como alguns dos prêmios que eu citei acima sugerem, I Am Not a Witch é o primeiro longa-metragem da diretora Rungano Nyoni. Ela começou a carreira como diretora com o curta 20 Questions, em 2009. Depois, ela dirigiu outros quatro curtas e um média-metragem com 1h de duração. Apesar de nunca ter feito um longa antes, a diretora acumula um número importante de prêmios: 47, até o momento. Ou seja, um nome a ser acompanhado. E um pequeno detalhe: Nyoni nasceu na Zâmbia, justamente no local em que o filme é rodado, em Lusaka. Ou seja, ela conhece bem aquela realidade.

Este é um filme coproduzido pelo Reino Unido, pela França, pela Alemanha e pela Zâmbia.

CONCLUSÃO: I Am Not a Witch nos fala de um universo muito diferente do nosso. Em um local em que crenças e tradições são utilizados por autoridades para explorar pessoas. Um filme bem narrado e que impacta desde o primeiro minuto mas que, depois, perde um pouco da sua força. Uma produção que trata sobre a exploração de humanos por outros humanos sem filtros – seja estes humanos cruéis turistas ou governantes. Um soco no estômago que conta com elementos que são importantes para o Oscar. Filme interessante, ainda que tenha lhe faltado uma conclusão um pouco melhor acabada.

PALPITES PARA O OSCAR 2019: Muitos apontam I Am Not a Witch como um dos filmes com boas chances de chegar entre os finalistas na categoria Melhor Filme em Língua Estrangeira no Oscar. Ainda é cedo para saber ao certo se ele chegará lá porque, afinal de contas, este é apenas o segundo filme da lista de 86 produções que estão habilitadas para conseguir uma vaga entre as finalistas.

Acho sim que I Am Not a Witch tem alguns elementos que agradam à Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Além de ter qualidades enquanto obra de cinema, esse filme tem uma criança como protagonista. E isso é sempre um atrativo para Hollywood. Falta ver diversas outras produções, mas inicialmente eu acharia até justo o filme chegar tão longe, a uma indicação, especialmente pelas críticas que ele faz.

Mas ganhar uma estatueta dourada? Bem, para isso, acho que falta a I Am Not a Witch um roteiro um pouco melhor. Nesse sentido, eu ainda prefiro o dinamarquês Den Skyldige, recentemente comentado por aqui. Acho Den Skyldige mais inovador e com um roteiro melhor acabado que I Am Not a Witch. Assim, eu votaria em Den Skyldige para receber a estatueta dourada. Mas não seria uma surpresa o dois chegarem entre os finalistas.

Den Skyldige – The Guilty – Culpa

den-skyldige

Saber ouvir é algo fundamental. E nem sempre tão simples quanto parece. Não basta apenas deixar a outra pessoa falar, mas saber fazer as perguntas certas e dar o espaço necessário para o outro. Agora, imagine tudo isso em questões que podem ser limite e/ou perigosas. É sobre isso e sobre outros temas que trata Den Skyldige, o primeiro filme habilitado para concorrer ao Oscar 2019 de Melhor Filme em Língua Estrangeira que assisto e comento aqui no blog. Um filme incrível, envolvente e muito interessante. Den Skyldige demonstra, na prática, como um roteiro bom faz toda a diferença.

A HISTÓRIA: Um telefone toca. O policial Asger Holm (Jakob Cedergren) coloca os fones de ouvido com microfone para atender. Ele diz que fala da Central de Emergência. Ele tem que repetir a informação para que a outra pessoa peça socorro. Asger pede o endereço para o homem com quem ele está falando, Nikolaj. O homem só diz que está ficando sufocado, que não consegue respirar e que ele não está em casa. Mas não sabe dizer também onde está. Asger pergunta se ele tomou alguma droga. O homem confirma. Asger segue atendendo aos chamados, até que um deles lhe chama a atenção porque parece um sequestro. A noite do policial plantonista muda radicalmente a partir deste ponto.

VOLTANDO À CRÍTICA (SPOILER – aviso aos navegantes que boa parte do texto à seguir conta momentos importantes do filme, por isso recomendo que só continue a ler quem já assistiu a Den Skyldige): Fiquei encantada com esse filme. Devo dizer isso logo de início. Quem me acompanha aqui no blog há algum tempo sabe o quanto eu defendo um bom roteiro. Para mim, este é sempre o elemento mais importante de uma produção.

Depois, claro, como elementos importantes de um filme, vem uma boa direção, um ótimo trabalho de atores e outros fatores que variam de estilo de produção para outro estilo de produção – como efeitos visuais e especiais, edição, figurinos, trilha sonora e etc.

Mas sem um bom roteiro, dificilmente um filme se sustenta. E o que nós temos em Den Skyldige? Essencialmente, um ótimo roteiro, mérito do diretor Gustav Möller e de Emil Nygaard Albertsen. (SPOILER – não leia se você não assistiu ao filme). Porque o filme, convenhamos, se passa todo em um mesmo ambiente, em um andar com diversas mesas, computadores e telefones em que um grupo de pessoas atendem à chamados de emergência e dá prosseguimento para estes pedidos de ajuda.

Durante grande parte do tempo, a câmera do diretor Gustav Möller está focada no protagonista desta história, o ótimo ator Jakob Cedergren. Ele interpreta a Asger Holm, um policial que foi afastado das ruas enquanto é investigado pela morte de uma pessoa durante um de seus dias de serviço. O roteiro de Möllere de Albertsen mergulham na cabeça desse policial, que vive uma noite especialmente tensa por diversas razões.

Primeiro, porque ele está literalmente na véspera de ter a sua vida decidida. No dia seguinte, ele será julgado pela morte de uma pessoa. Esse julgamento poderá acabar com a carreira dele ou fazer com que ele volte para as ruas – essa segunda opção é evidentemente o que ele deseja. Aqui e ali, durante a narrativa, ficamos sabendo mais detalhes sobre o protagonista.

Ele ter sido afastado das ruas cobrou um preço alto de Asger. Inclusive a mulher dele saiu de casa e, aparentemente, ele se afastou de outras pessoas próximas. Ele vivencia essa pressão na noite em que a narrativa acontece. Mas o mais interessante do filme não é apenas revelar a personalidade do protagonista pouco a pouco, mas mostrar a rotina cheia de desafios de quem desempenha aquela função de atender a chamados de emergência.

Essencialmente, ouvimos a três casos de emergência atendidos por Asger naquela noite. Nos dois primeiros, ele deixa claro que tem uma postura que é típica de muitos policiais. Ou seja, eles se preocupam com as pessoas, querem ajudar, mas não deixam de “julgar” no processo. Assim, ele é um tanto irônico e crítico com o sujeito que está em perigo porque se encheu de drogas e com um outro sujeito que foi roubado por uma prostituta.

Mas a terceira ligação que ele recebe acaba mudando toda a noite de Asger e remetendo os espectadores desse filme em uma trama envolvente e angustiante. Cada linha do roteiro foi pensada de forma precisa para nos levar em uma montanha-russa de emoções e sensações. Conseguimos nos colocar facilmente no lugar de Asger, que não pode sair para as ruas para tentar ajudar a Iben (voz de Jessica Dinnage), mas está trancado naquele ambiente em que ele só tem a fala, a psicologia e o seu conhecimento prático como policial como recursos à seu favor.

Não ver os fatos acontecendo, apenas ouvir a ação e imaginá-la tem um efeito muito forte em quem assiste ao filme. É o mesmo envolvimento e a mesma emoção de quando estamos lendo a um ótimo livro. Isso diferencia Den Skyldige da maioria das produções que assistimos e que utilizam, como é típico do cinema, a imagem como um de seus principais recursos.

Assim, de forma muito inteligente, Möller subverte a própria lógica “natural” do cinema para nos apresentar uma história cheia de originalidade. Pouco a pouco, vamos nos envolvendo no sequestro de Iben e em todos os fatos que envolvem aquela situação. O filme apresenta algumas reviravoltas interessantes, sendo algumas delas um tanto previsíveis, enquanto outras são realmente impactantes.

Den Skyldige apresenta alguns questionamentos interessantes. Primeiro, que não são apenas policiais que, diante de alguns fatos, julgam aos demais sem ter detalhes sobre o que está acontecendo com estas pessoas. Nós também fazemos isso, mesmo que não notemos isso com a frequência que deveríamos.

Depois, esta produção mostra como podemos fazer leituras equivocadas dos fatos com uma certa facilidade. Mesmo bem treinado e experiente, Asger Holm também se equivoca com a história de Iben. E quais são as razões para os erros do protagonista? Primeiro, claro, o seu próprio “background” e experiência de vida e na profissão.

(SPOILER – não leia… bem, você já sabe). O mais comum, claro, é que um marido que não deseja a separação e que foi separado dos filhos acabe perdendo o controle e, ao sentir-se “proprietário” da ex-mulher, aja de forma violenta com ela e até com os filhos. Diversas histórias da vida real nos mostra essa possibilidade. Diante destes fatos, Asger Holm inicialmente acredita na versão de que Iben é a vítima e de que o ex-marido dela é o vilão da história.

Mas perto do final, ele descobre que esta interpretação dos fatos não era verdadeira. Na verdade, todos eram vítimas naquela história, inclusive Iben, que passava por uma crise – provavelmente de esquizofrenia. Ao tentar ajudar, Asger Holm ultrapassa em muito a sua função, naquela atividade que estava desempenhando e, por muito pouco, acaba não piorando ainda mais toda a situação.

Isso nos faz pensar sobre a nossa própria interpretação dos fatos e em como as nossas ações podem melhorar ou piorar os acontecimentos. Den Skyldige nos apresenta isso de forma bastante franca, direta e envolvente. Além de nos fazer refletir sobre os nossos pré-julgamentos, a interpretação que fazemos dos fatos – e que pode estar equivocada – e sobre a nossa responsabilidade sobre como influenciamos a realidade alheia, esse filme também nos faz refletir sobre o nosso próprio “background”.

O quanto esse “background” nos define ou nos limita? O quanto colocamos esse background em questão quando somos confrontados com situações ou fatos novos? No caso do protagonista de Den Skyldige, o background dele é bastante determinante para as suas ações no caso de Iben. Ele se sente culpado pela morte que causou e, por causa disso, se vê especialmente envolvido por um outro caso em que ele sente que poderá fazer a diferença.

Então o que separa vilões ou bandidos de heróis? Por muito pouco, Asger Holm não coloca mais uma morte na sua consciência. E isso porque ele queria apenas ajudar. Assim, Den Skyldige nos mostra que, muitas vezes, não importa o quanto estejamos “revestidos” de boas intenções. O nosso background e os nossos julgamentos equivocados podem sim nos tornar vilões de uma história.

A vida é frágil e nós somos limitados. Podemos não admitir isso com a frequência que deveríamos, mas sim, somos bastante limitados. A nossa compreensão é limitada. A nossa capacidade de fazer o bem, também. Den Skyldige acerta em cheio ao nos fazer refletir sobre tudo isso. E sem discursos ou seguindo uma fórmula conhecida, mas nos apresentando uma narrativa muito interessante, envolvente e original.

Com esse filme, tive um belo começo nessa trajetória de buscar conferir ao máximo de filmes que estão concorrendo a uma vaga no próximo Oscar. Sim, o Oscar é uma premiação cheia de interesses da indústria do cinema dos Estados Unidos e a premiação nem sempre reconhece os melhores filmes na disputa. Mas através do Oscar, conseguimos conhecer a vários filmes interessantíssimos. Esse é o caso de Den Skyldige.

NOTA: 9,7.

OBS DE PÉ DE PÁGINA: Se você assistiu a esse filme e leu essa crítica, pode estar pensando: “Mas se ela gostou tanto do filme, por que não deu uma nota maior para ele?”. Admito que eu pensei em dar a nota para este filme. Pensei algum tempo em dar 10 para Den Skyldige. Mas acabei não fazendo isso por uma razão, especificamente.

(SPOILER – não leia se você não assistiu ao filme). A narrativa é muito bem construída, a direção é interessante e o trabalho do protagonista é fenomenal, mas eu achei um pouco “exagerado” aquele final da produção. A tomada de consciência de Iben e a perspectiva dela se matar tornam o filme mais complexo, mas também um tanto dramático além do desejado. Sem contar que ela ter se salvado, digamos assim, não seria o mais previsível. Parece que os roteiristas resolveram “aliviar” a barra do protagonista nos minutos finais. Por um lado, isso é interessante, porque é a “surpresa” final do filme. Mas, por outro lado, torna o desfecho um tanto dúbio – ele realmente é um “herói”? Para mim, Den Skyldige perde alguns décimos de ponto naquela reta final.

A grande qualidade de Den Skyldige é o seu roteiro, sem dúvida alguma. Um grande trabalho de Gustav Möller e de Emil Nygaard Albertsen. Eles cuidam de cada frase, de cada detalhe da ação. Um grande trabalho, sem dúvida. Gustav Möller também merece parabéns pela sua direção. Afinal, não é fácil tornar uma narrativa atraente tendo, basicamente, uma câmera e um ator em cena, e apenas isso. As escolhas dele de ângulo e a forma com que ele posiciona a sua câmera, variando os detalhes conforma a narrativa se desenrola, mostra todo o talento do diretor. Um grande trabalho, sem dúvida.

Esse é um filme de um homem só, praticamente. Sim, temos um ou outro personagem que aparece por poucos segundos em cena, assim como temos as vozes das pessoas com quem Asger Holm fala durante a produção mas, essencialmente, Den Skyldige tem apenas um ator em cena: Jakob Cedergren. Agora, imaginem se ele fosse um ator ruim. Não conseguiríamos assistir a esse filme até o final, mesmo que o roteiro fosse ótimo. Então sim, outra grande qualidade deste filme é o trabalho de Cedergren. Grande ator! Um prazer vê-lo em um papel como esse, que valoriza tanto o seu talento.

Além de Jakob Cedergren, aparecem em cena, com participações/”interferências” muito rápidas, os atores Morten Thunbo, Maria Gersby e Anders Brink Madsen, todos operadores da sala de emergência, assim como Asger Holm.

Ainda que não apareçam em cena, vale comentar o bom trabalho de outros atores que interagem com o protagonista, mas que “aparecem” no filme apenas com as suas vozes: Jessica Dinnage como Iben; Omar Shargawi como Rashid, ex-colega de farda do protagonista; Johan Olsen como Michael, ex-marido de Iben; Jacob Lohmann como Bo, que era chefe de Asger; Katinka Evers-Jahnsen como Mathilde, filha de Iben e Michael; e Jeanette Lindbaek como a atendente de Nordsjaelland. Eles são importantes para a evolução da história, ainda que conferimos as suas interpretações apenas por suas vozes.

Entre os aspectos técnicos deste filme, destaque para a edição de Carla Luffe Heintzelmann e para a direção de fotografia de Jasper Spanning. Também merece ser mencionado o trabalho de Gustav Pontoppidan no design de produção.

Den Skyldige estreou em janeiro de 2018 no Festival de Cinema de Sundance. Depois, o filme participaria, ainda, de outros 27 festivais em diversos países. Nessa trajetória, o filme conquistou 14 prêmios e foi indicado a outros 14. Desta lista de prêmios, vale comentar o prêmio de World Cinema – Dramatic dado pelo público do Festival de Cinema de Sundance para Gustav Möller; o Critic’s Choice Award para Gustav Möller no Festival de Cinema de Zurique; e o Golden Blogos Award para Gustav Möller e o prêmio de Melhor Roteiro dados no Festival Internacional de Cinema de Valladolid.

Fiquei curiosa para saber mais sobre o roteirista e diretor Gustav Möller. Pesquisando sobre ele, vi que Den Skyldige é o seu primeiro longa-metragem. Olhem só! Antes, ele tinha apenas dirigido a um curta e a dois episódios de uma série de TV. Ou seja, eis um nome que merece ser acompanhado. Acho que ele pode nos surpreender bastante ainda.

Com Den Skyldige eu abro a série de críticas que procuram antecipar alguns dos principais concorrentes ao Oscar 2019. Den Skyldige é o representante da Dinamarca no prêmio da Academia da Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Além de Den Skyldige, outros 85 filmes de diferentes países procuram uma vaga entre os cinco finalistas ao prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira no Oscar 2019. Bóra lá conferir ao máximo de filmes possíveis que tem alguma chance no Oscar a partir de agora.

Os usuários do site IMDb deram a nota 7,8 para esta produção, enquanto que os críticos que tem os seus textos linkados no Rotten Tomatoes dedicaram 74 críticas positivas e apenas uma negativa para o filme – o que garante para Den Skyldige uma aprovação de 99% e uma nota média 8. No site Metacritic, Den Skyldige apresenta um “metascore” de 83, fruto de 23 críticas positivas. Além disso, o filme apresenta o selo “Metacritic Must-see”. Notas muito boas e acima de média dos sites.

Den Skyldige é uma produção 100% da Dinamarca.

CONCLUSÃO: Um filme que consiste, basicamente, em um ator falando com pessoas por telefone. Aparentemente, esse filme pode se enfadonho, mas isso é tudo que Den Skyldige não é. Mais uma vez o cinema dinamarquês nos apresenta uma ótima história, com um roteiro exemplar e um excelente trabalho do protagonista. Um filme envolvente, angustiante e que mexe com qualquer pessoa que consiga se colocar no lugar das pessoas que fazem parte desta história. Criativo, realista e bastante humano, nos apresenta uma história diferenciada e que merece ser conferida.

PALPITE PARA O OSCAR 2019: Claro que é cedo para ter uma aposta mais certeira na categoria Melhor Filme em Língua Estrangeria. Afinal, Den Skyldige é o primeiro filme de uma lista com 86 títulos que buscam uma vaga no Oscar 2019 que eu assisto. Mas desde já eu posso dizer que vejo esse filme com um grande potencial para chegar até os cinco finalistas nessa categoria que costuma ser uma das melhores e uma das mais concorridas do prêmio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood.

Para o meu gosto, mesmo sem ter assistido a nenhum outro filme na disputa ainda, posso dizer que Den Skyldige merecia estar entre os indicados e que não seria injusto se ele levasse a estatueta para casa. Por todas as razões que eu comentei antes, esse filme é muito bem acabado e surpreendente. Ele funciona muito bem, apresenta uma narrativa realmente original e tem uma duração perfeita. Depois de assisti-lo, terei uma régua alta de comparação com os próximos filmes que eu iriei assistir.

Então sim, acho que Den Skyldige pode chegar entre os cinco finalistas em Melhor Filme em Língua Estrangeira no Oscar 2019 e que pode até vencer nesta categoria. Veremos o que eu vou achar sobre estes aspectos depois de ter assistido aos concorrentes dele.

First Man – O Primeiro Homem

first-man

O ser humano é capaz de feitos incríveis. Quase inacreditáveis. Uma história marcante sobre o potencial da Humanidade em surpreender e superar todas as perspectivas é contada com esmero em First Man. Por que o filme é brilhante? Além da parte técnica, perfeita, First Man mergulha sem pudores na vida real de um herói dos Estados Unidos – e, por que não dizer, da humanidade? – sem que este mergulho seja carregado de maquiagem. Não, muito pelo contrário. Vemos como nunca, até então, o quanto foi dura a conquista do espaço e o preço alto que muitos pagaram por isso. Simplesmente incrível.

A HISTÓRIA: Um voo turbulento. Tudo sacode, tudo treme, o horizonte não parece seguro. Dentro da cabine da aeronave, o piloto Neil Armstrong (Ryan Gosling) procura manter a calma mesmo frente a um cenário complicado. A nave acaba subindo, até 140 mil pés, e depois começa a descer. O voo é angustiante, mas o avião sobe até “ricochetear” na atmosfera.

Lá em cima, Armstrong tem uma visão fantástica, algo restrito a poucos. Inicialmente, ele não parece ter controle da aeronave, mas depois ele consegue esse controle e começa a descer. Esta é a história de Neil e de um feito incrível da humanidade.

VOLTANDO À CRÍTICA (SPOILER – aviso aos navegantes que boa parte do texto à seguir conta momentos importantes do filme, por isso recomendo que só continue a ler quem já assistiu a First Man): Eu não vou mentir para vocês. Fiquei extasiada ao assistir a First Man. De verdade, o filme me tocou, me envolveu e me deixou um bocado de tempo impactada. Assisti ele há algumas semanas, no cinema, e após desovar a outra crítica, finalmente chego a First Man.

Certamente vocês, como eu, já assistiram a diversos filmes “baseados em uma história real”. Existem muitos exemplos por aí. Uns melhores que outros. Não é fácil fazer um filme do estilo, claro. Muitos caem na armadilha do “filme-homenagem”, ou seja, naquela produção que acaba elogiando mais os personagens reais do que realmente procurando contar a história com a complexidade que qualquer  história real apresenta.

Porque a gente pode até tentar fazer tudo da maneira simples e tentar simplificar a problemática da vida, mas muitas vezes o que acontece em diferentes etapas da nossa trajetória não é tão simples quanto a gente gostaria. A vida é complicada, algumas vezes. Então por que muitos filmes baseados em histórias reais procuram simplificar ao máximo essas histórias?

First Man não faz isso. E talvez essa seja a base de toda a qualidade que o filme apresenta. Porque, como digo e gosto de repetir, um filme para ser bom, realmente bom, deve ter um ótimo roteiro. Encontramos exatamente isso no trabalho de Josh Singer, baseado no livro de James R. Hansen. First Man não é apenas envolvente e bem construído em sua narrativa, mas ele mergulha em um personagem central para mostrar a sua complexidade e sutilezas.

Ao redor desse personagem principal, que é como se fosse o sol em uma constelação, temos a vários personagens “satélites” que ajudam a explicar o protagonista. O sistema todo se mantêm em equilíbrio e trabalha em conjunto de uma forma muito precisa e interessante. Mas não é apenas o roteiro que explica o impacto e a força de First Man. Outro elemento fundamental, e acredito que um verdadeiro diferencial deste filme, seja a direção do talentoso Damien Chazelle.

O jovem diretor de 33 anos – ele terá 34 quando o Oscar 2019 for anunciado -, que anteriormente já nos mostrou o seu talento em Whiplash (comentado por aqui) e La La Land (com crítica neste link), apresenta em seu terceiro longa como diretor um passo à mais em direção ao seu amadurecimento enquanto realizador. Para mim, First Man é o seu melhor filme até o momento.

Não é nada simples mostrar toda a angústia, o desafio e o risco que pilotos de aeronaves e, depois, astronautas como Neil Armstrong na muito longínqua década de 1960. A direção de Chazelle mergulha naquela época e em cada detalhe da vida de Armstrong e das demais pessoas envolvidas diretamente na corrida espacial norte-americana. O resultado disso é que o espectador se sente literalmente imerso naquele realidade para vivenciar um dos grandes momentos da humanidade.

Eu não sei vocês, mas eu tenho uma quedinha gigantesca – e aí está uma antítese irônica – pelo poder de superação da raça humana. Não apenas por termos nos adaptado por tanto tempo, como espécie, e seguirmos fazendo isso, mas para nos aventurarmos por searas que nem mesmo os homens de ficção poderiam imaginar há mais de um século.

Dentro da história do nosso universo e mesmo da Terra, somos a espécie com menos “importância” em termos de longevidade. Mas de tempos em tempos alguns homens e mulheres buscam superar a nossa condição humana e nos levar para novas fronteiras do conhecimento e do saber. First Man conta uma destas histórias, com uma franqueza de roteiro e uma potência de direção que não é muito comum de encontrarmos no cinema de Hollywood.

Esse meu “fraco” pelas histórias de superação e pela capacidade humana de chegar a lugares pouco antes considerados impossíveis me fez cair como um patinho nessa história. Levada pelas mãos por uma competente e envolvente direção de Chazelle, me emocionei e fiquei realmente impactada com a história de Armstrong, de sua família e de seus colegas. De todas aquelas pessoas que se sacrificaram tanto para que a humanidade chegasse aonde ela nunca tinha chegado até então.

Além dos elementos já comentados, algo incrível nesse filme é como ele resgata com perfeição os anos 1960. Em cada detalhe, desde as casas e ruas comuns da época até os bastidores da Nasa. Impressionante vislumbrar como os americanos estavam distantes do sonho de chegar à lua mas, apesar de todos os prognósticos contra, eles avançaram arriscando pessoas e recursos para ganhar a queda de braço com os russos. Uma história realmente impressionante e que merecia ser contada.

Agora, além de tudo isso, precisamos falar sobre a humanidade que está neste filme, além da narrativa científica fascinante. Como comentei antes, um dos grandes méritos de First Man é que ele não se preocupa em homenagear as pessoas, simplesmente. Armstrong é mostrado da forma mais crua possível. Ele era um sujeito sério, quieto, preocupado com o seu “dever” e, ao mesmo tempo, angustiado com a perda da filha Karen (Lucy Stafford).

Apesar de ter uma história fascinante e de ser muito talentoso, Armstrong era um sujeito que não conseguia, exatamente, lidar com tudo que estava acontecendo. Ele tinha muita pressão no trabalho e, em casa, se cobrava sozinho pela morte da filha – ou, se ele não se cobrava, tinha dificuldade de aceitar.

Então ele amava a esposa, Janet, magistralmente interpretada por Claire Foy, e conseguia dar atenção para os dois filhos, Rick (interpretado por Gavin Warren e por Luke Winters) e Mark (Connor Blodgett), mas ele nem sempre conseguia fazer tudo isso ao mesmo tempo. Então ele era um profissional super competente e um sujeito esforçado em casa, mas não era perfeito. Como ninguém é, na verdade. First Man apresentar isso com tanta franqueza é algo realmente precioso.

Enfim, o que mais eu posso dizer para vocês? Apenas que esse filme me conquistou do início ao fim. Por sua técnica apurada; pela direção mais que competente de Chazelle; pelo roteiro sensível, envolvente e bastante humano de Singer; pelo ótimo trabalho de Gosling e Foy, em interpretações envolventes e muito convincentes; enfim, pelo conjunto da obra do filme.

Além de tudo isso, First Man passa, a meu ver, mensagens realmente poderosas e importantes. Primeiro, que a humanidade é sim capaz de feitos incríveis. Mas por mais que o homem chegue à lugares inacreditáveis e veja cenas estonteantes, como a que vemos nesse filme quando Armstrong e Buzz Aldrin (Corey Stoll) pisam na Lua – como não ficar completamente extasiada(o) com aquelas cenas? -, e por mais que estas conquistas sejam importantes para o indivíduo e para o coletivo, o que importa, no final, é o que nos une e o que não termina. Sim, o amor.

Para mim, esta foi a mensagem mais forte de First Man. E o que fez eu realmente amar esse filme. A vida é feita de muitos sacrifícios. Alguns conseguem fazer feitos incríveis para a humanidade, como Armstrong e Aldrin. Outros, conseguem realizar pequenos grandes feitos sobre os quais ninguém nunca vai ouvir falar. Mas, no final das contas, o que importa é honrar e homenagear quem a gente ama. E voltar para casa, ah, como isso é incrível! Sentir que você tem um lugar para retornar. Estas são algumas de várias reflexões e sentimentos que esta pequena joia rara nos apresenta.

Se para você estes valores que eu citei antes são importantes, se você se interessa por grandes momentos da nossa história e por pessoas “simples” mas geniais que tornaram eles possíveis, simplesmente não perca esse filme. Ele vale pela técnica e pelo sentimento. Pelo cuidado que apresenta em cada detalhe. Para mim, um dos grandes filmes do ano – e, possivelmente, dos últimos anos.

NOTA: 10.

OBS DE PÉ DE PÁGINA: Eu não tinha nascido quando o homem foi à lua. Vi as imagens depois, é claro, assim como soube das teorias da conspiração e da descrença de muitas pessoas sobre o que aconteceu. Algo que eu acho incrível em First Man é que o filme mostra toda a precariedade daqueles anos, assim como a coragem e a inovação que foram necessárias para que a Nasa saísse de uma corrida espacial em posição de desvantagem e conseguisse passar à frente dos russos.

A história é contada sempre pelos vitoriosos, é claro. Mas com o passar do tempo e através de trabalhos como First Man a gente consegue ter uma visão menos idealizada dos fatos. Vemos os “heróis” como eles são, feitos de carne e osso, de sonhos e de frustrações. Tão bom encontrar pela frente um filme que verdadeiramente procurou nos remeter aos anos 1960 e àquela aventura que nos levou para o espaço. Uma reconstituição perfeita e fascinante. Algo que só o cinema é capaz de fazer.

Apenas por mostrar o desafio da Nasa de explorar o espaço e chegar à lua, uma forma de ultrapassar os “inimigos” russos, First Man já vale o ingresso. Mas o filme não é só isso. Acima de tudo, First Man é um filme muito humano. Primeiro, ao mostrar o cotidiano de “heróis” como Neil Armstrong, assim como as suas famílias.

Depois, por demonstrar como pessoas geniais, mas suscetíveis como qualquer outra a morrer em um acidente aéreo ou no espaço, podem ser capazes de vislumbrar algo tão magnífico como o espaço e pousar na lua. Ainda que eu e você nunca vamos fazer isso, mas pensar que outros como nós já fizeram e ver as imagens de First Man já nos bastam. É a humanidade mostrando que pode liderar feitos incríveis, se assim o desejar.

A direção impecável de Damien Chazelle é um dos principais trunfos de First Man. Ele coloca o espectador sempre em primeiro plano, para que sintamos tudo que o protagonista sente. Algo impressionante, especialmente nas cenas das missões nas quais ele participa. Consequentemente, outros aspectos fundamentais desse filme são a direção de fotografia de Linus Sandgren e os efeitos especiais e os efeitos visuais realizados por dezenas de profissionais. Visualmente, o filme é inesquecível.

Outros aspectos técnicos que merecem aplauso são a Direção de Arte, feita por dezenas de profissionais; a Edição e a Mixagem de Som, também de responsabilidade de dezenas de profissionais; a edição brilhante de Tom Cross; o design de produção de Nathan Crowley; a direção de arte de Rory Bruen, Chris Giammalvo, Justin O’Neal Miller, Benjamin Nowicki, Erik Osusky, Eric Sundahl e Thomas Valentine; os figurinos de Mary Zophres; a decoração de set de Randi Hokett e Kathy Lucas; e a trilha sonora de Justin Hurwitz.

Do elenco, os principais elogios vão para Ryan Gosling, que faz um trabalho bastante sóbrio, coerente e com alguns toques emotivos ao interpretar Neil Armstrong; e para Claire Foy como a esposa de Armstrong, Janet. Eu não acompanhei muito a atriz até o momento, mas ouvi sempre falar muito bem dela. Percebi o porquê ao vê-la nesse filme. Ela realmente está ótima, assim como Gosling – um dos grandes atores da sua geração. Os dois estão perfeitos, sem tirar ou por.

Além de Gosling e de Foy, merecem ser mencionados, pelo trabalho competente que apresentam, Jason Clarke como Ed White; Kyle Chandler como Deke Slayton; Corey Stoll em quase uma ponta como Buzz Aldrin – ele aparece menos que White e Slayton; Patrick Fugit como Elliott See; Christopher Abbott como Dave Scott; e Ciarán Hinds como Bob Gilruth. Todos “homens da Nasa”.

Também está bem, em um papel secundário, Olivia Hamilton como Pat White, esposa de Ed White. Além deles, vale citar o trabalho dos atores mirins, que interpretam aos filhos do casal Neil e Janet Armstrong: Gavin Warren e Luke Winters, nas duas versões de Rick Armstrong; Connor Blodgett como Mark Armstrong e Lucy Stafford como Karen Armstrong.

First Man estreou em agosto de 2018 no Festival de Cinema de Veneza. Depois, o filme participaria, ainda, de outros oito festivais de cinema. Nesta trajetória, e até o momento, First Man recebeu três prêmios e foi indicado a outros dois.

Os prêmios que First Man recebeu foram: Melhor Diretor do Ano para Damien Chazelle, Melhor Compositor do Ano para Justin Hurwitz e Melhor Editor do Ano para Tom Cross, todos conferidos pelo Hollywood Film Awards.

Agora, vale citar algumas curiosidades sobre esta produção. Algumas das vozes que ouvimos no filme são gravações reais do programa espacial norte-americano. Por exemplo, quando a Apollo 11 aterrissa na lua, a resposta de Houston é a original. Ouvimos, naquele momento, a voz do astronauta Charles Duke, que foi o responsável pela comunicação com a Apollo 11 durante o pouso.

Para esta produção, Chazelle fez questão de treinar os atores na Nasa e de enviar para eles vídeos que estão no YouTube com cada pessoa que eles iriam personificar. Com isso, ele esperava que cada ator reproduzisse o jeito de falar e os “tiques” de linguagem de seus personagens. Ele também indicou uma série de livros e de filmes que eles deveriam assistir.

A famosa frase de Armstrong ao pisar na lua é objeto de controvérsias. O que ouvimos no filme é o que foi possível ouvir na Terra no áudio da Nasa: “Esse é um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”. Mais tarde, Armstrong disse que queria ter dito “Esse é um pequeno passo para um homem”, e que ele achava que tinha dito isso, de fato, mas nunca foi possível extrair isso da gravação daquele momento. Então o filme reproduz o que foi documentado.

A intenção de Chazelle com First Man foi “abordar a história como um thriller, fazendo o público sentir os perigos enfrentados pela equipe de astronautas”. Ele, de fato, conseguiu esse intento. Com louvores.

Ryan Gosling sofreu uma lesão durante uma das várias cenas que ele filmou em uma nave espacial. Chegando em casa, e após reclamar de forma “bizarra” e exagerada sobre ladrões de donuts, a companheira do ator, Eva Mendes, sugeriu que ele procurasse um hospital. Foi aí que eles descobriram que ele tinha sofrido uma concussão. Um perigo.

Os filhos de Neil Armstrong, Mark e Eric, disseram que First Man faz o retrato mais preciso possível dos pais deles, Neil e Janet.

Os usuários do site IMDb deram a nota 7,7 para esta produção, enquanto que os críticos que tem os seus textos linkados no Rotten Tomatoes dedicaram 305 textos positivos e 41 negativos para o filme – o que lhe garante uma aprovação de 88% e uma nota média de 8,1. Para mim, chama a atenção, em especial, a nota média do Rotten Tomatoes – bastante alta para o padrão do site. O site Metacritic apresenta o “metascore” 84 para First Man, assim como o selo “Metacritic Must-see”. O metascore para o filme é fruto de 54 críticas positivas e de duas críticas medianas.

De acordo com o site Box Office Mojo, First Man teria custado US$ 59 milhões e faturado, apenas nos Estados Unidos, pouco mais de US$ 42 milhões. Nos outros mercados em que o filme estreou ele fez outros US$ 45 milhões. Ou seja, no total, o filme faturou cerca de US$ 87 milhões. Ele mal está se pagando, portanto. Uma pena, porque eu acho que ele merecia mais.

Pensando já no Oscar 2019 – iniciei esta “corrida” pela premiação com a crítica de A Star Is Born, que vocês podem acessar por aqui, mas logo vou me “debruçar” nos candidatos da categoria Melhor Filme em Língua Estrangeira -, acredito que First Man pode emplacar diversas indicações.

Por baixo, penso que ele pode emplacar em até 10 categorias. Não em surpreenderia se ele fosse indicado a Melhor Edição de Som, Melhor Mixagem de Som, Melhor Design de Produção, Melhores Efeitos Visuais, Melhor Edição, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Fotografia, Melhor Diretor, Melhor Ator e Melhor Filme. Sim, ele pode chegar a tudo isso, da mesma forma com que pode ser indicado a um número bem menor ou praticamente ser esnobado pela Academia. Veremos, logo mais.

Sobre as chances dele ganhar um ou mais destes prêmios, prefiro esperar para ver quem são os concorrentes dele para depois opinar.

First Man é uma produção 100% dos Estados Unidos, por isso o filme passa a figurar na lista de produções que atendem a uma votação feita aqui no blog.

CONCLUSÃO: Para conseguir feitos incríveis, é preciso uma dose considerável de sacrifício. Mas o que se conquista não é pensando em uma pessoa, mas em todos que vieram antes e em todos que já se foram. First Man é um dos filmes focados em uma história real mais interessantes que eu já vi. Especialmente porque ele foge do estilo “homenagem” e apresenta os personagens de forma bastante franca e direta.

A humanidade chegou muito longe, e a cada ano vai conquistando novas fronteiras do saber e se superando. First Man nos mostra o caminho árduo e pouco narrado de uma destas trajetórias. Com ótimo roteiro, interpretações inspiradas e uma direção incrível, é uma destas produções que deveria ser vista por todos. Para mim, um dos melhores filmes do ano e forte candidato ao Oscar 2019.

A Star Is Born – Nasce Uma Estrela

a-star-is-born

Sabe um filme que começa muito bem e que depois “descamba”? Para quem não conhece o manezês, vou explicar: aquela produção que começa com uma boa pegada e depois segue ladeira abaixo. Para mim, isso é exatamente o que acontece com A Star Is Born. Mas antes, um alerta importante: se você é super fã de Lady Gaga, nem se dê ao trabalho de continuar lendo. Sim, ela está muito bem no filme. Sim, a música é o melhor desta produção. Mas isso é tudo. Em sua parte inicial, A Star Is Born é envolvente, tem uma música excelente e nos faz embarcar de coração e alma. Mas isso não dura muito tempo.

A HISTÓRIA: Ouvimos os gritos de uma plateia. Vemos a um músico sobre o palco. No backstage, Jack (Bradley Cooper) toma um comprimido antes de entrar em cena e enlouquecer o público. O show começa, e a câmera está focada nos músicos e na visão de Jack de tudo aquilo. Jack canta uma de suas várias histórias pessoais, entregando-se em cada palavra. No final do show, ele entra em um carro.

Parece exausto, mas manda o seu motorista, Phil (Greg Grunberg) dirigir até que eles encontrem um bar aberto. Corta. No banheiro de um restaurante, Ally (Lady Gaga) discute com alguém pelo telefone. Quando está saindo, o chefe dela pede que ela tire o lixo. O amigo, Ramon (Anthony Ramos), pede que o chefe a deixe brilhar. Depois de trabalhar no restaurante, Ally vai se apresentar em um clube, onde acaba tendo o seu talento conferido de perto por Jack.

VOLTANDO À CRÍTICA (SPOILER – aviso aos navegantes que boa parte do texto à seguir conta momentos importantes do filme, por isso recomendo que só continue a ler quem já assistiu a A Star Is Born): Eu vou ser franca com vocês. Quando eu fui assistir ao filme A Star Is Born, eu fui com o peito aberto. Querendo ser surpreendida mesmo. Afinal, tinha ouvido falar – e não lido, vejam bem – todas as críticas positivas e o burburinho sobre o filme.

Daí que, ao assisti-lo, logo no início, fiquei fascinada pela produção. Realmente a música da parte inicial, na noite em que os protagonistas passam juntos e até o momento em que Jack deixa Ally em casa, me levaram ao céu. Amo boa música. Não vivo sem ela. Então gostei muito das composições do filme, especialmente nesta parte inicial, da direção de Bradley Cooper e da atuação dele e de Lady Gaga.

Tudo isso é verdade. Mas é verdade, também, que eu não consigo assistir a um filme que começa bem e que depois segue ladeira abaixo. E isso, especialmente, por escolhas ruins de roteiro. E é exatamente isso que acontece com A Star Is Born. O coração de um filme – ou a alma? não sei bem ao certo – é o seu roteiro. Uma produção pode ser brilhante com um ótimo roteiro que sustenta aos demais elementos que fazem um filme. Ou pode ser uma frustração justamente por causa de um roteiro preguiçoso e pouco crível.

A Star Is Born vai bem até o momento em que Ally é levada por Phil para um show de Jack. Ela pegar um jatinho com o amigo Ramon e ir até o show, beleza. O problema é o que vem depois. Jack passou apenas uma noite com Ally e escutou, uma única vez, uma canção que ela compôs. Mas isso não impede que ele toque no show seguinte essa mesma canção inteira e já com um acompanhamento.

Me desculpem. Eu admiro quem não se importa com nuances de uma história. Quem não dá bola para os detalhes. Mas eu me importo. Achei muito, mas muito forçada aquela apresentação de Jack com Ally. Sim, a direção de Cooper é perfeita e os atores estão ótimos. Gaga dá um show nessa parte do filme.

Mas não importam os holofotes, a beleza da música ou da cena. Aquela parte é muito forçada! Honestamente, impossível um cara nas condições de Jack, no final de uma noite, após um show e de beber durante a noite inteira, ouvi uma única vez uma música e lembrar de cada palavra desta canção depois, fazendo a produção da música e apresentando ela no seu show seguinte.

Aquele momento começou a estragar o filme para mim. Mas ele não foi o único. (SPOILER – não leia se você ainda não assistiu a A Star Is Born). Depois da apoteose do show em que Jack apresenta Ally para o seu público, os dois engatam um romance. Normal. Ela passa a viajar com ele e a se apresentar com Jack. Até aí, tudo bem. Depois de diversas apresentações, o produtor Rez Gavron (Rafi Gavron) diz que quer produzir um disco dela, porque chegou a hora de Ally brilhar.

Novamente, até este momento, nada de surpreendente. Só que aí algo começa a ficar forçado novamente na história. Sob a batuta de Rez, Ally abraça uma música pop que segue o manual de muitos hits do momento. Ok, isso talvez tenha sido algo que ela desejou, em parte. Talvez tenha sido um pouco de adequação para que ela fizesse sucesso. Mas isso é de menos. O que me incomodou mesmo foi a mudança repentina que a personagem começa a ter nesta parte da história.

Lady Gaga é encantadora e está muito bem no filme. Mas a partir do momento em que ela grava as suas músicas e começa a se apresentar, ela passa a tirar o foco de Jack. Totalmente. Beleza que ela tinha o sonho de fazer sucesso também, mas essa atitude dela casa com a garota que vemos na parte inicial do filme, que acompanha Jack por um bom tempo, ou até mesmo com a garota que parece se importar com ele na reta final da produção?

Para mim, existe um problema grave no roteiro de Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters na construção dos personagens e na própria dinâmica da produção, que tem pelo menos dois ou três momentos “feitos para chorar” e um bocado forçados. Esse tipo de fórmula não me agrada e não me convence. Um destes momentos forçados é a entrega do Grammy para Ally.

Convenhamos, descontadas as paixões que vocês podem ter por Gaga ou Cooper, alguém realmente acredita que o produtor ou outras pessoas próximas de uma artista como Ally deixariam Jack ficar perto dela naquele estado? Claro que não. Aquela foi mais uma sequência muito, mas muito forçada no filme. Naquele momento, aparentemente, Ally e os demais se deram conta do problema do protagonista com o alcoolismo. Ah, precisa ser muito inocente para acreditar nisso.

Ally viajou em turnê com Jack por um bocado de tempo. Não tinha um dia em que ele não bebesse até cair. Então ela precisou “passar vergonha” em uma premiação para realmente enxergar que ali existia um problema? Novamente, isso me pareceu muito forçado. Ou a pessoa sensível que querem nos fazer acreditar não existe, ou essa pessoa fez questão de ficar cega por um longo tempo para se beneficiar da situação.

De qualquer forma, para o meu gosto, existe uma divergência importante entre as diferentes versões dos personagens. Certo que ninguém consegue ser linear o tempo todo. Mas me convence mais a “decepção” que Jack tem ao ver a sua parceira aderindo a uma fórmula “barata” de pop e ele sendo estúpido com ela – apesar de, na essência, ele não ser esse cara – do que a indiferença de Ally com ele.

Para a história ter o prosseguimento e, principalmente, o desfecho dramático que A Star is Born tem, os roteiristas escolheram esse caminho fácil – mas nada convincente – de não serem muito coerentes com os personagens ou a dinâmica da história. Era evidente, e desde o início do filme, que Jack tinha um problema com a bebida. Mas ninguém – e isso parece incrível – parece ter se importado com isso. No final chorar ou “homenagear” a pessoa não adianta de muita coisa, não é mesmo?

Com isso, não quero dizer que Ally poderia ter “salvo” Jack. Mas ela poderia ter devolvido para ele um pouco do tanto que ele demonstrou se importar com ela, ou não? Essa história de amor com tantas nuances de desigualdade de entrega não me pareceu tão bonita quanto tentam nos fazer acreditar. A embalagem é sempre importante, claro, e A Star is Born é um filme bonito, bem dirigido e com ótimas atuações. Mas o conteúdo – descontadas as músicas – simplesmente não acompanham a embalagem.

Teve uma outra parte que me incomodou muito, enquanto eu assistia ao filme. O comportamento de Jack frente às escolhas de Ally. Por um momento, eu até pensei se ele estava sofrendo daquela síndrome clássica de quem se sente incomodado quando o ser amado começa a brilhar sozinho. Mas refletindo depois mais sobre esta parte do filme, percebi que não.

O que aconteceu com Jack é o que acontece muitas vezes com a gente. E que me atire uma pedra quem nunca vivenciou isso. Explico. Muitas vezes, achamos que conhecemos uma pessoa. Pensamos que ela tem um determinado gosto ou um determinado estilo. Quando esta pessoa demonstra algo totalmente diferente, nos sentimos um tanto quanto “traídos”. Isso é bobagem, evidentemente, porque a outra pessoa tem o direito de ser o que ela quer.

Mas esse incômodo que sentimos, a meu ver, tem uma explicação simples. Todos os dias, fazemos uma série de ações da mesma forma. Por pura economia de energia, de ter que pensar em todas as pequenas ações novamente. O hábito nos economiza tempo e energia, algo importante para o nosso dia a dia. Nossa leitura das pessoas tem o mesmo efeito tranquilizador.

Para Jack, Ally era uma garota talentosa e parecida com ele, ao menos no sentido de compor músicas com uma grande carga pessoal e verdadeira. Na visão dele, isso tudo não combinava com o estilo da música pop, aquelas coreografias “provocativas” e dançarinos sobre o palco. Mas algo que ele precisava descobrir – mas que não foi fácil, aparentemente – é que essa visão dele não precisava ser a única correta. Que Ally tinha sim o direito de empacotar a sua verdade como ela queria.

Algumas vezes, nós temos justamente a dificuldade do personagem de Jack. Ou seja, de perceber que a pessoa de quem gostamos pode agir como ela deseja. Simplesmente isso. E de que a nossa leitura sobre como tudo deve ser ou deixar de ser interessa apenas a nós. Não podemos impor a ninguém. Quanto mais amarmos os outros e deixarmos eles livre para serem da maneira que desejam, mais o nosso amor será verdadeiro. Mas essa nem sempre é uma lição fácil de aprender ou de colocar em prática.

Pensando em tudo isso, senti que o comportamento de Jack não foi tão incoerente com o personagem que vimos até aquele momento. Então esta foi uma parte do roteiro que eu aceite melhor depois do filme terminar. Agora, a construção da personagem de Ally deixa muito a desejar. Assim como as partes forçadas do filme – além do primeiro show dos dois, a premiação de Ally, a atitude final de Jack e a homenagem “feita para chorar” dos últimos minutos do filme.

(SPOILER – não leia se você não assistiu ao filme). Não gostei tanto de A Star Is Born por que o filme termina de forma trágica? Não, não tenho esse apego à histórias felizes. Mas me incomodou sim a saída um tanto sem sentido de Jack de cena. Depois, todos se perguntam se poderiam ter feito algo diferente… Bem, esta é uma pergunta clássica naquele cenário, não é mesmo?

Ninguém salva uma outra pessoa, mas podemos sim nos ajudar. Só acho que um cara como Jack, que já tinha passado pelo pior, não teria uma atitude como aquela, sem pensar em Ally ou nos demais. Novamente, não me pareceu coerente. Se ele estivesse em outro momento, tudo bem.

Então essas faltas de coerência e/ou forçadas de barra do filme me incomodaram sim. E não teve música boa ou outro elementos positivos do filme que me fizessem esquecer estas falhas do roteiro. Para mim, um filme bem abaixo da minha expectativa original. Infelizmente.

NOTA: 7.

OBS DE PÉ DE PÁGINA: Vou dizer para vocês. Enquanto eu assistia ao filme e pensava que tinha ouvido tantos elogios sobre a produção, mas não estava vendo tudo isso em tela, eu fiquei pensando: “Realmente, acho que não entendo nada de cinema”. Já estava pensando na minha crítica, no que eu falaria sobre o filme, e eu tinha certeza que a minha avaliação seria diferente da maioria. Mas, para mim, isso quer dizer o seguinte: dificilmente é possível agradar gregos e troianos.

Cada um tem a sua bagagem de vida, de cultura, de experiências e tudo isso nos faz ter uma ou outra experiência no cinema. No caso de A Star Is Born, o filme simplesmente não me convenceu. Mas eu entendo quem tenha ficado fascinado pela produção. De verdade. Só que vamos combinar de discordar sobre as nossas impressões, desta vez. 😉

Impressionante as duas visões diferentes que eu tive deste filme enquanto eu o assistia no cinema. Na parte inicial de A Star Is Born, até o momento em que Jack começa a cantar a música de Ally sobre o palco, eu tinha gostado muito do que estava vendo e ouvindo.

Depois de escrever a crítica, me lembrei de outro aspecto do filme. (SPOILER – não leia se você não assistiu ao filme). A Star is Born passa uma mensagem um tanto confusa, como se para uma estrela surgir outra precisasse morrer… Também passa a ideia de que a fama e o sucesso não preenchem a vida de ninguém, e que se a pessoa é infeliz ou se sente “miserável” por outros aspectos, a fama não vai salvá-la. Ok, até concordo com isso. Mas e o amor? O protagonista deste filme parece “brilhar” diferente depois de encontrar o amor. E isso não vai ser suficiente para ele?

Ok, na vida real, para alguns não é. Entendo isso. No filme, isso também poderia ter sido mostrado. Mas acho que faltou um desenrolar melhor acabado do roteiro para nos convencer disso. Sim, tem pessoas que não são salvas nem pelo amor. Isso faz parte. E ninguém tem culpa disso, apesar de que eu acho que as pessoas ao redor do protagonista deste filme não demonstraram o suficiente o quanto elas se importavam. Não que isso o salvasse, no final, mas a forma com que tudo é contado, neste filme, me pareceu muito desleixado.

As músicas de A Star Is Born são incríveis, e a pegada da direção de Bradley Cooper e a interpretação inicial dele e de Lady Gaga são encantadoras. Mas depois, quando comecei a identificar as forçadas de barra do roteiro, minha visão sobre o filme foi piorando gradativamente. Uma pena. Eu honestamente gostaria de ter me encantado do início ao fim. Mas isso não aconteceu.

A melhor parte do filme? Sem dúvida alguma, as músicas. Acredito que A Star Is Born pode chegar no Oscar 2019 com diversas indicações. E estou torcendo para o filme emplacar no que ele realmente merece, que é o Oscar nas categorias Melhor Trilha Sonora e Melhor Canção. Claro, falando isso sem ter ouvido ainda aos concorrentes. Mas o filme tem um trabalho primoroso nesse quesito.

Outras qualidades de A Star Is Born: a direção inspirada de Bradley Cooper. Ele busca deixar a câmera sempre perto da ação, valorizando o trabalho dos atores e também as nuances dos bastidores da música. Para quem curte esse ambiente artístico, é um verdadeiro deleite. As melhores sequências do filme estão na interação de Gaga com Cooper e nas cenas dos shows. Todas muito bem dirigidas por Cooper.

Também é importante comentar o trabalho dos atores. Bradley Cooper e Lady Gaga estão muito bem, realmente. Mas ao ponto deles ganharem o Oscar? Honestamente, eu até não acharia uma injustiça eles serem indicados. Mas ganhar… acho que ambos fazem um bom trabalho em A Star Is Born, mas não acho que a entrega tenha a potência ou o diferencial para receber uma estatueta do Oscar. Ainda assim, não me surpreenderia com Hollywood querendo premiar Gaga. Seria a cara da premiação. Sim, Gaga se revela uma bela atriz nesse filme. Faz um trabalho competente e convincente. Mas eu não daria um Oscar para ela por causa disso. Seu trabalho é bom, mas não é excepcional.

Como comentei antes, e até de forma repetitiva, o roteiro de A Star Is Born é o seu ponto fraco. Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters falharam em diversos momentos, tanto na construção dos personagens quanto na coerência da história. Forçaram a mão em diversos momentos, mais preocupados em emocionar do que em convencer. Além disso, o que é outro problema grande do filme, A Star Is Born é longo demais. A produção poderia ter 20 ou 30 minutos a menos sem problemas.

A Star Is Born é a quarta versão de uma mesma história. Não lembro de ter visto à alguma das três versões anteriores, devo admitir. Achei essa interessante por “atualizar” uma história que sempre rende, do “patinho feio” que acaba se revelando uma estrela. Um verdadeiro clássico, não é mesmo? A parte interessante da nova versão é mostrar o “mainstream” da música atual, com todas as suas qualidades e pontos polêmicos. Mas esse mesmo cenário poderia ter sido abordado de forma mais interessante, a meu ver, sem tanto melodrama e falhas no roteiro.

Vale comentar que o trabalho de Roth, Cooper e Fetters bebe da fonte do roteiro da versão de 1976, escrito por John Gregory Dunne, Joan Didion e Frank Pierson, assim como tem influência do roteiro de Moss Hart, da versão de 1954, e da história original criada por William A. Wellman e Robert Carson.

Além de Bradley Cooper e de Lady Gaga, fazem um bom trabalho nesse filme Sam Elliott como Bobby, o irmão mais velho de Jack; Andrew Dice Clay como Lorenzo, pai de Ally; Anthony Ramos como Ramon, melhor amigo de Ally; e Rafi Gavron como Rez Gavron, produtor do primeiro disco de Ally. Em um papel menor, mas relativamente importante no filme, vale citar o bom trabalho de Dave Chappelle como George “Noodles” Stone, amigo de infância de Jack.

Entre os aspectos técnicos do filme, o destaque vai para a direção competente de Bradley Cooper e para a trilha sonora com composições feitas por Bradley Cooper, Lukas Nelson, Jason Isbell, Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando, Andrew Wyatt, Paul Kennerley, Natalie Hemby, Hillary Lindsey, Lori McKenna, Mark Nilan Jr., Nick Monson, Paul Blair, Aaron Raitiere, Julia Michels, Justin Traer, entre outros. Aliás, vale comentar, que Cooper faz um belíssimo trabalho em sua estreia como diretor. Cooper também é um dos produtores do filme.

Além de direção e trilha sonora, vale comentar o belo trabalho de Matthew Libatique na direção de fotografia; de Jay Cassidy na edição; de Karen Murphy no design de produção; de Matthew Horan e Bradley Rubin na direção de arte; de Ryan Watson na decoração de set; e de Erin Benach nos figurinos.

A Star Is Born estreou em agosto de 2018 no Festival de Cinema de Veneza. Depois, o filme participou dos festivais de cinema de Toronto, Zurique e Tokyo, além do American Film Festival. Até o momento, essa produção ganhou dois prêmios e foi indicada a outros três. Os prêmios que A Star Is Born recebeu foram o de Melhor Fotografia do Ano para Matthew Libatique no Hollywood Film Awards e o Collateral Award para Bradley Cooper no Festival de Cinema de Veneza.

Agora, vale citar algumas curiosidades sobre A Star Is Born. De acordo com Bradley Cooper, foi Lady Gaga que o convenceu de que eles deveriam cantar ao vivo durante as filmagens. Gaga disse que odiava ver a filmes em que os atores não estavam sincronizando os lábios corretamente com as músicas. Para evitar isso, ela sugeriu que todas as canções do filme fossem cantadas ao vivo. Isso fez com que Cooper fizesse um treinamento vocal mais completo para a produção. Ele se sai muito bem, na verdade.

Gaga cantou “I’ll Never Love Again” pouco depois de ter perdido uma grande amiga, Sonja Durham. No dia em que eles iriam gravar a cena, Gaga recebeu a ligação do marido da amiga, dizendo que ela estava morrendo. Gaga foi se despedir da amiga e depois voltou para gravar a canção para o filme. Posteriormente, ela diz que nunca vai se esquecer daquele dia e desta parte do filme.

Como o personagem que interpreta, Bradley Cooper também teve que lidar com o vício em álcool e drogas. Na divulgação de A Star Is Born, o ator e diretor comentou sobre como a sobriedade salvou a vida dele e a sua carreira.

Bradley Cooper aprendeu a tocar guitarra para este filme com Lukas Nelson, filho de Willie Nelson. Ele trabalhou com Cooper quase todas as noites durante um ano ensinando não apenas como tocar guitarra, mas como se apresentar em um palco e para uma plateia. Realmente A Star Is Born é um trabalho muito pessoal e que exigiu grande dedicação de Cooper.

No Festival de Cinema de Veneza, Cooper comentou que o visual de A Star Is Born foi inspirado em um show que ele viu do Metallica quando ele tinha 16 anos de idade. O Metallica realmente é inspirador.

Os usuários do site IMDb deram a nota 8,3 para A Star Is Born, enquanto que os críticos que tem os seus textos linkados no Rotten Tomatoes dedicaram 372 críticas positivas e 41 negativas para a produção, o que lhe garante uma aprovação de 90% e uma nota média de 8,1. Especialmente as notas, altas para os padrões dos dois sites, chamam a atenção. O site Metacritic apresenta um “metascore” 88 para A Star Is Born, fruto de 58 críticas positivas e de duas medianas. O filme também apresenta o selo “Metacritic Must-see”.

De acordo com o site Box Office Mojo, A Star Is Born teria custado US$ 36 milhões e faturado, apenas nos Estados Unidos, quase US$ 157,7 milhões. Nos outros mercados em que o filme estreou, ele fez outros US$ 106 milhões. Ou seja, no total, ele ultrapassou os US$ 263,6 milhões. Um verdadeiro sucesso de público, bilheteria e crítica, portanto. Mais um ponto favorável para o filme chegar no Oscar 2019.

Adiantando o tema, já que logo vou começar a assistir e a comentar filmes que estão procurando uma vaga no Oscar 2019, vamos falar sobre as chances de A Star Is Born no próximo Oscar. Acho sim que o filme pode ser indicado, se tiver sorte, em umas seis categorias – Melhor Direção, Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Direção de Fotografia, Melhor Trilha Sonora e Melhor Canção. Em quais destas categorias ele tem maiores chances? Preciso conhecer aos outros concorrentes, mas acho que ele tem chances reais em Melhor Trilha Sonora e Melhor Canção. Nas demais, vai depender do lobby e dos concorrentes.

A Star Is Born é uma produção 100% dos Estados Unidos. Por isso o filme entra na lista de produções que atendem a uma votação feita há algum tempo aqui no blog.

CONCLUSÃO: A música é algo fantástico. E é o que nos encanta na parte inicial desta produção, que também tem como acertos a direção de Bradley Cooper e o trabalho dos protagonistas. Mas isso não faz um bom filme. A Star Is Born começa muito bem, mas logo no primeiro “show” dos protagonistas após eles se conhecerem, fica difícil de acreditar em grande parte do que vemos em cena.

Filme longo demais, com uma história forçada em diversos momentos e que carece de “convencimento” para as pessoa que não são “super fãs” dos protagonistas. Poderá chegar com força no Oscar 2019 mas, francamente, não merece as estatuetas que talvez possa irá ganhar. Quer dizer, se vencer pela Trilha Sonora e como Melhor Canção, tudo bem. No mais, será forçado. Mediano, apenas.