E o Oscar 2011 foi para… (avaliação online dos premiados deste ano)


Boa noite.

Ufa! Por pouco não chego atrasada para assistir e comentar sobre os premiados deste ano.

Diferente do Oscar de 2010, desta vez eu estava trabalhando… ganhando o pão de cada dia. No ano passado, me dava ao luxo de estar apenas estudando. Desta vez, é diferente. Mas estou feliz, inclusive, por esta mudança na minha vida. Certamente minha alegria atualmente é maior do que em 2010. Mas vamos falar do Oscar, e não de mim. 😉

A expectativa para este Oscar, como eu disse no texto anterior, sobre os indicados, é de que tenhamos poucas surpresas nesta noite. Acredito que teremos dois ou três filmes com quatro estatuetas cada um. A grande dúvida é se Hollywood vai se render a The Social Network ou The King’s Speech. Nas demais categorias, os premiados são bastante previsíveis. Quer dizer, surpresas sempre podem acontecer… logo veremos.

Como fiz no ano passado, conforme os premiados forem sendo anunciados, vou comentando sobre os resultados por aqui. No Twitter também farei alguns comentários esporádicos. Este é o segundo ano em que o Oscar abraça 10 filmes na disputa pelo prêmio principal. Uma forma da Academia abrir o leque para agradar aos que gostam de filmes conceituais, mais alternativos, com o gosto do grande público, que prefere os filmes mais comerciais. Na prática, contudo, tanto neste ano como em 2010, a lista de produções que realmente tiveram alguma chance na premiação não passou de cinco. Natural.

Se a escolha de hoje à noite dependesse dos leitores deste blog, sem dúvida Black Swan seria a surpresa da noite. Não é algo impossível, mas improvável. De qualquer forma, concordo com a maioria dos leitores que votaram por aqui: o filme merecia. Mas, cá entre nós, ele é muito ousado para os padrões de Hollywood – ainda. Quem sabe mais alguns anos de evolução da indústria e um filme como este possa sair consagrado? Quem sabe…

No Brasil, 22h30, começou a cerimônia de premiação com o já tradicional vídeo de tiração de sarro com os principais concorrentes deste ano. Algumas boas tiradas, outras meio sem graça… como nos últimos anos. Sem novidades. Quer dizer, quase… os melhores trechos foram de The King’s Speech e Black Swan, ainda que a melhor tirada foi mesmo colocar Back to the Future no meio do enredo.

Em seguida, James Franco e Anne Hathaway no palco, engraçadinhos e elegantérrimos. Os dois à altura de Hugh Jackman no ano passado – ainda que eu preferia ele se esforçando um monte com aquele número musical, vocês se lembram?

Bacaníssima a dinâmica do cenário este ano. Começando com a homenagem para …E o Vento Levou e Titanic.

E o primeiro premiado, bastante esperado. Em Direção de Arte, deu Alice in Wonderland na cabeça. Merecidíssimo – e olha que nem assisti ao filme, mas opino apenas por ter visto ao trailer e ao trabalho de desenvolvimento dos cenários. Fantástico. Claro que a dupla que foi receber a estatueta agradeceu ao diretor – e fez gracinha e tudo, brincando com a “careca” da estatueta.

Estava na torcida por Black Swan em Melhor Fotografia, mas deu na cabeça Inception. Merecido também. Na verdade, o filme dirigido por Nolan deve levar quase todos os prêmios técnicos. Não é por acaso que o diretor de fotografia agradeceu a Nolan, com quem fez vários filmes antes – inclusive dois Batman.

“Um dos atores mais transcendentes de todos os tempos”… e aparece o Kirk Douglas, aplaudidíssimo. Bacana. E ele, ótimo, pergunta onde estava Anne Hathaway quando ele estava fazendo filmes. 😉 O ator veterano apresenta as indicadas na categoria Melhor Atriz Coadjuvante. Expectativa… Melissa Leo vestida para matar.

Kirk Douglas, mega engraçado, até agora, o melhor da noite. Quebrando o protocolo, ele jogou com as expectativas da plateia e das indicadas, em especial. Depois de abrir o envelope e jogá-lo no chão, ele brincou por ter sido indicado três vezes ao Oscar e por sempre ter perdido. Brincou com as pessoas que estavam rindo – e com Colin Firth que, por ser inglês, não estava.

E o Oscar foi para… Melissa Leo. Linda. E apesar daquela ideia infeliz dos anúncios nos jornais e revistas, ela merecia. Muito bem entregue esta estatueta. Melissa Leo agradeceu a todos os atores que dividiram a cena com ela em The Fighter. Algo justo também, porque um dos pontos fortes da produção é, realmente, o trabalho dos atores.

Justin Timberlake e Mila Kunis em cena. Ela foi injustiçada. Deveria ter sido indicada este ano na categoria anterior, de Melhor Atriz Coadjuvante. Mas ok, todo ano alguém que merece fica de fora. Os dois apresentaram os indicados a Melhor Curta de Animação. The Lost Thing surpreende e ganha de outros que eram favoritos. Primeira “zebra” da noite. Mas, por isso mesmo, bacana. Bom ver uma produção mais independente ganhando um prêmio que é importante para o fomento de jovens talentos. Os premiados agradeceram à família e a música começou a subir… mas foram bastante aplaudidos.

Em seguida, Melhor Filme de Animação. Desta vez, sem surpresas. Levou a estatueta Toy Story 3. Muito, muito merecido. O diretor Lee Unkrich agradece a uma imensa lista que ajudou a produzir o filme – justificando aquela grana toda investida, claro. Até a “avozinha” ele agradeceu. Sem muita emoção, mas bonitinho. Até agora, apenas uma pequena surpresa: em Melhor Curta de Animação. O restante, previsto.

Como vocês bem sabem, logo mais, vou ampliar este texto. Por agora, apenas os primeiros comentários de cada premiação. Depois amplio com outros detalhes sobre os vencedores, os derrotados e algum possível injustiçado. E seguimos… (Adendo no dia 12 de março: estou aqui, revisando este texto e colocando novas fotos e, francamente, acho que vou acrescentar pouco. Prefiro logo me lançar a outro filme e crítica do que acrescentar muito mais por aqui).

Entra em cena o ótimo (em vários sentidos) Javier Bardem. E agora sim, uma prévia do que virá na noite com a categoria Melhor Roteiro Adaptado: The Social Network levou a estatueta. O que só aumenta as possibilidades deste filme levar na categoria principal. Merecido, muito merecido este Oscar. Porque o roteiro é corajoso e muito bem escrito – difícil traduzir para a tela a complexidade da história do criador do Facebook sem que a produção fosse óbvia ou chata. O discurso do Sorkin chatinho, mas tudo bem. A gente dá um desconto.

Em seguida, Melhor Roteiro Original. A expectativa é que ganhe The King’s Speech. E deu o esperado. Grande vitória. Merecidíssima. Grande roteiro de David Seidler, que foi mais divertido no discurso.

Ele brincou que era uma das pessoas que ganhou o Oscar com mais idade na história. E que isso era uma coisa boa, que deveria acontecer com uma frequência maior. Brincou que ele sempre foi um “pouco atrasado” e agradeceu pela Rainha da Inglaterra não ter fechados as portas para esta história.

Disse que muitas pessoas no mundo gaguejam, e encerrou falando: “Sim, nós temos uma voz. E sim, nós fomos escutados”. Bacana. Possivelmente o melhor discurso da noite até agora. (Adendo no dia 12/3: e, francamente, foi um dos melhores discursos de toda a noite. Muito simpático o velhinho roteirista genial.)

Anne Hathaway volta soltando a voz. Mandando ver muito, muito bem. E, claro, tirando um sarrinho do Hugh Jackman – que teve que fazer uma cena sozinho no ano passado. E o palhaço do James Franco aparece como Marilyn Monroe. Só que menos engraçado.

Perderam “o ponto”, digamos. E aparece em cena a fantástica Helen Mirren, falando em francês. E tirando sarro do desempenho de Colin Firth como rei. Dizendo que ela foi superior como rainha. 😉 Genial.

Melhor Filme Estrangeiro para Haevnen, da genial, fantástica Susanne Bier. Fiquei feliz. Ainda que goste muito de Iñarritu, e queira assistir a Biutiful, mas Bier merecia há tempos levar uma estatueta. Bacana.

E agora, deve dar Christian Bale. Ainda que tenhamos outros grandes intérpretes em cena, está na hora de Bale ser reconhecido na categoria Melhor Ator Coadjuvante.

John Hawkes e Geoffrey Rush também mereciam, é fato, mas Christian Bale estava matador – ainda que ele tivesse feito algo bem parecido antes. Mas era hora dele ganhar.

Após ser anunciado como vencedor, Bale foi bastante generoso e agradeceu a todos os envolvidos em The Fighter, do diretor até os atores, assim como o personagem real figuraça em quem ele se inspirou – e que estava no Kodak Theater. Agradeceu também à esposa, que enfrentou “vendavais” ao lado dele, lembrando também da filha que os dois tiveram. Um dos bons discursos da noite também.

Hugh Jackman e Nicole Kidman juntos… há um tempo, isso seria motivo para fofocas. Desta vez, não.

E antes, a Academia agradecendo a parceria com a ABC. Definitivamente, uma emissora melhor que a Globo, que preferiu o Carnaval em 2010 e o BBB, este ano, do que o Oscar na transmissão. Meu gosto não bate com o deles, certamente. 🙂

Em seguida, um show da orquestra interpretando algumas das trilhas sonoras clássicas do cinema. De arrepiar, para quem acompanha essa história há um tempinho.

Na categoria Melhor Trilha Sonora, grandes concorrentes. Muitos veteranos e premiados na disputa. E ganha Trent Reznor, que fez um grande trabalho em The Social Network. E ainda que eu goste muito de outras trilhas na disputa, Reznor e equipe mereceram a estatueta. Entre outros agradecimentos, ele falou de David Fincher, claro, que deve receber, logo mais, a estatueta como Melhor Diretor.

Agora, nas categorias técnicas de som, aposto em Inception. Em Melhor Mixagem de Som, claro, Inception levou a estatueta. Nem preciso dizer que extremamente merecido, não?

Agora, Melhor Edição de Som. Deve dar Inception também… e deu. O filme levou a maior parte das estatuetas nas categorias técnicas até agora, como previsto também. Sem grandes surpresas até o momento.

Voltando para a apresentação, devo dizer que o James Franco está me dando um pouco nos nervos. Tenta ser engraçado todo o tempo mas, algumas vezes, parece apenas exagerado – e/ou fake.

E depois de Marisa Tomei falar sobre os prêmios técnicos, Franco solta: “Ok, parabéns, nerds”. Tá, deu pra ti.

Cate Blanchett, super elegante, apresenta a categoria Melhor Maquiagem, que teve como vencedor The Wolfman, certamente um trabalho muito difícil e que ficou excelente – não assisti ao filme, ainda, mas pelas fotos e trailer, foi merecido. Na categoria Melhor Figurino, o excelente trabalho de pesquisa e o resultado criativo de Alice in Wonderland.

Depois, o momento musical que é uma tradição do Oscar. As apresentações de Melhor Música foram feitas de uma forma bacana, no melhor estilo “nós temos classe”. A interpretação de Tangled foi das mais bacanas. Amy Adams e Jake Gyllenhaal aparecem em seguida para falar dos curtas, destacando que muitos grandes diretores fizeram, antes, este tipo de produções. Gyllenhaal brinca que estes também são os erros mais comuns dos bolões, por isso ele recomenda que as pessoas passem a assistí-los para ter mais chances de acertar os palpites.

Veremos se acertei no meu chute deste ano… Em Melhor Documentário em Curta-Metragem, ganhou Strangers no More. Fiquei feliz. Não assisti, mas achei que ele tinha a melhor premissa entre os concorrentes. Como Melhor Curta-Metragem, uma surpresa: God of Love, que levou para o palco a figura mais engraçada (visualmente) da noite. Ele brincou que deveria ter cortado o cabelo… sinal que nem ele acreditava que iria ganhar. Boa. Agora sim, faço questão de ir atrás deste curta. Dos dois, aliás. E sim, vale muito a pena assistir aos curtas que são indicados, a cada ano, para o Oscar.

Depois, antes do novo prêmio, uma das melhores tirações de sarro da noite. Brincaram com remixes comédia dos filmes, lembrando um dos videos da internet que mais fez sucesso em 2010. O Oscar dando a devida importância para a internet – independente de The Social Network levar a melhor da noite ou não. E James Franco com aquela cara de pateta engraçadinho que cansou. Anne Hathaway, por outro lado, se deu bem até sendo palhaça.

Oprah Winfrey apresenta os filmes indicados como Melhor Documentário. Minha torcida para o filme do Banksy, claro. Mas quem levou foi Inside Job. E o diretor começa colocando o dedo na ferida, dizendo que mesmo três anos depois da bancarrota, nenhum dos executivos culpados foi preso. Momento político tradicional do Oscar também. Fiquei curiosa para assistir ao filme agora. E conferir se ele realmente mereceu ter vencido a Banksy, que é genial.

Na volta da cerimônia, Billy Crystal aparece em cena, após uma homenagem de Anne Hathaway – dèja vu total, já que ele apresentou a cerimônia por muitos anos.

Ele fala do primeiro Oscar que passou na televisão. Crystal homenageia ainda ao grande Bob Hope, que apresentou o Oscar durante mais tempo que nenhum outro.

Robert Downey Jr. e Jude Law apresentam Melhores Efeitos Especiais que, como era mais que esperado, foi ganho por Inception. Um trabalho de primeiríssima, sem dúvida. Nos agradecimentos, claro, os realizadores e familiares.

Depois, como Melhor Edição, grandes indicados e um vencedor: The Social Network. Como eu tinha cantado antes. A disputa foi boa, mas o trabalho da dupla de premiados, imprescindível e bastante inspirado. Merecido pois – ainda que outros também mereciam.

Um empate técnico, se ele fosse possível, teria sido a melhor solução (Adendo no dia 12/3: o empate técnico ao que me referia seria perfeito acrescentando Black Swan). Até agora, uma premiação quase sem surpresas. A maior, para mim, foi mesmo em Melhor Curta de Animação e Melhor Documentário. Mas também porque não assisti a todos os indicados este ano. Depois que conferir a todos eles, poderei falar melhor se houve alguma injustiça.

Agora, cá entre nós, parece que dividiram a dupla de apresentação do Oscar deste ano entre dois anões: Anne-Feliz e James-Rabugento. As caras, gestos e reações ficaram muito segmentadas. Exageradamente, eu diria.

Depois, novas canções sendo apresentadas. Gwyneth Paltrow, mais cantora que atriz – há tempos – em uma versão bastante “terral” e/ou dourada – e quase sem maquiagem.

Ganhou como Melhor Canção Original, a música de Randy Newman, We Belong Together, por Toy Story 3. Acertei esse. 😉 E merecidíssimo o Sr. Newman levar, porque ele é um dos grandes compositores de Hollywood nas últimas três décadas, no mínimo. Em seu currículo, nada menos que 106 trilhas sonoras.

Depois do intervalo, Celine Dion canta enquanto aparecem as imagens das pessoas que morreram ano passado. Um momento “carga emocional mil” que poderia ter sido vivido de outra forma. Celine Dion, me desculpem os fãs, aumentou a carga “piegas” de uma maneira desnecessária. Mas ok, bom rever grandes nomes, ainda que a música não tenha ajudado.

Uma das mais bonitas da noite, Hilary Swank, entrou em cena para dar passagem para a ótima Kathryn Bigelow, que apresentou o Oscar de Melhor Diretor. Ainda que eu torça sempre para Aronofsky, esta será a noite de David Fincher.

Ou não… para a minha surpresa, o grande trabalho de Tom Hooper em The King’s Speech ganhou do favorito David Fincher. Bacana. E isso adianta que o grande filme com roteiro de David Seidler, direção de Hooper e interpretação incrível de Colin Firth pode levar o grande prêmio da noite.

Poucas surpresas até aqui. E todas positivas. Quando isso acontece, vale a pena assistir ao Oscar, mesmo em um ano com tanta enrolação e xaropice como está sendo a apresentação de 2011.

Seguindo a linha “intimista” da apresentação dos indicados em Melhor Atriz e Melhor Ator trilhada no ano passado, Jeff Bridges começou os trabalhos com Annette Bening.

Depois, seguiu uma homenagem bacana para Nicole Kidman.

Em seguida, a bela Jennifer Lawrence, muito diferente da aparência que teve em Winter’s Bone.

E Natalie Portman… ah, minha favorita. Curioso que escolheram uma cena em que ela dá um show mas que não foi a mais difícil em Black Swan.

Fechando a lista, Michelle Williams, que ainda vai levar um Oscar, um dia destes – porque é uma ótima atriz, pouco valorizada até agora.

E deu Natalie, como mais que esperado. Ela soltou algumas lágrimas sinceras e fez um discurso justo. Disse que a grande sorte que ela teve foi trabalhar com uma grande equipe, fazer o que ela gosta – interpretar – e agradeceu muito o exemplo que recebeu dos pais.

Fez uma homenagem muito bacana ao Aronofsky, chamando ele de visionário. Muito justo. Ele é dos grandes.

Agradeceu a uma lista enorme de pessoas, dos amigos até aqueles que deram a oportunidade para ela trabalhar anteriormente. O melhor discurso até o momento. Agradeceu inclusive quem assinou o trabalho de maquiagem, vestuário… não esqueceu ninguém. Generosa, bacana.

Sandra Bullock apareceu em seguida para apresentar a categoria Melhor Ator.

Começou com Javier Bardem e um “Hola”.

Jeff Bridges saiu rapidinho do palco e foi o citado seguinte. Bullock tentou ser engraçada, dizendo que ele ganhou no ano passado e que deveria dar uma chance para os demais mas, claro, não foi engraçada coisa alguma. Mas ok, um dia, quem sabe… 😉

O fantástico Jesse Eisenberg foi o terceiro da lista. Bullock, mais uma vez, fez uma gracinha dizendo que estava esperando que ele aceitasse ela no Facebook. Ok, vamos adiante.

Bacana que ele foi muito aplaudido após o tradicional trecho da interpretação dele.

E então o favorito Colin Firth. Deslumbrante, relaxado, merecedor.

Nos bastidores, James Franco, o último indicado.

Venceu Colin Firth, como era o esperado. Ele brinca que este deve ser o momento alto de sua carreira e que agora precisa descobrir o que virá depois. Ameaçou dançar no palco e citou os outros concorrentes – mas não nominalmente.

Agradeceu os companheiros de cena, o roteirista e o diretor. Agradeceu as pessoas que fizeram parte da carreira dele, especialmente Tom Ford – que dirigiu A Single Man, filme pelo qual ele concorreu ao Oscar no ano passado e que, para muitos, perdeu injustamente.

Finalmente, o prêmio principal da noite, apresentado por Steven Spielberg. Bacana que ele citou grandes produções que venceram na categoria, na história da premiação, e outras grandes produções que não receberam o prêmio principal.

Uma apresentação bastante equilibrada dos 10 indicados deste ano. Ficou bacana o painel com os filmes, vários deles muito bons, realmente.

E o Oscar de Melhor Filme foi para… The King’s Speech.

Opaaaaaa. Legal. Como vocês, que me acompanham, sabem, era o meu preferido, levando em conta que apenas ele e The Social Network tinham chances reais este ano.

Claro que se eu pudesse escolher, eu colocaria do lado de The King’s Speech a Black Swan mas, infelizmente, ainda vai levar um tempo para a Academia premiar um filme como este do Aronovsky. Entre os favoritos, The King’s Speech, sem dúvidas. Vivaaaaaa.

Obrigada aos leitores e leitoras que me acompanharam esta noite. Amanhã ou na quarta, no mais tardar, prometo deixar esta página mais bonitinha, com a publicação de fotos e mais alguma curiosidade dos premiados. (Adendo do dia 12/3: como vocês puderam observar, demorei mais tempo para colocar as tais fotos… hehehehe. Sorry.)

Boa noite para quem esteve assistindo ao vivo, como eu. E bom dia e boa tarde para quem chegar por aqui depois. 🙂

E viva ao Oscar, esta premiação que é uma festa do cinema. Comercial, principalmente, cheio de lobby e negociações de bastidores, mas também com muitos filmes de arte, independentes e uma boa salada mista do que se produz por aí. Até o próximo!

Anúncios

14 comentários em “E o Oscar 2011 foi para… (avaliação online dos premiados deste ano)

    1. Oi Olavo!

      Puxa, que legal.

      Fico muito feliz que você gosta dos textos que vou publicando por aqui, volta e meia.

      Também gostei de ter comentado o Oscar um ano mais, online, enquanto ele ia sendo transmitido. É uma experiência bacana.

      Muito obrigada por tua visita, pelo teu comentário e pelo estímulo que ele me deu.

      Um grande abraço e volte por aqui mais vezes, inclusive para falar dos filmes que você tem assistido e gostado. Inté!

      Curtir

  1. Nao assisti a entrega do Oscar 2011. Muito tarde da noite na Espanha (2h da madrugada) e a segunda-feira … ah, é de lascar! Previsivel e aprovado. A julgar os seus comentarios, James Franco andou fora de controle como apresentador. Da proxima vez – se isso acontecer – será mais comedido e eficiente. Gosto do seu texto e valeu a leitura. Obs. Atriz coadjuvante e documentario nao aprovei! Paciencia.

    Curtir

    1. Oi julio!

      Pois sim, o Oscar acaba passando muito tarde. Se no Brasil já é assim, ainda mais na Espanha. Também terminei de assistí-lo na madrugada.

      Concordo contigo que a premiação deste ano foi um bocado previsível. Sempre alguma surpresa acontece, mas poucas, devo dizer.

      Sim, o James Franco meio que “se passou”. Acho que não controlou a exposição e os holofotes. 🙂
      Talvez tenhas razão, em uma próxima vez ele poderia se sair melhor. Mas não sei, algo me diz que ele não será convidado para repetir a dose. No ano que vem saberemos…

      Fico feliz em saber que gostaste do texto. A experiência de ir publicando ele enquanto o Oscar era transmitido é o que faz o material ter alguma graça. hehehehe

      Agora, fiquei curiosa para saber quais teriam sido os teus votos nas duas categorias que comentaste que não estiveste de acordo. Quem você acha que deveria ter ganho as estatuetas de melhor atriz coadjuvante e documentário?

      Bem, nunca a gente vai sair totalmente satisfeito do Oscar, não é mesmo? Faz parte. Mas concordamos com a maioria, nos últimos anos, já é bastante coisa. 😉

      Obrigada pela tua visita e pelo teu comentário. E espero que voltes por aqui mais vezes.

      Um grande abraço!

      Curtir

  2. Não assistí a cerimônia pois minha TV a cabo por motivos de $$$ está com o mínimo de canais por alguns meses e não tive paciência de esperar pelo “Fantástico” e “BBB” para assistir.

    Mas, o que também me levou a desanimar da cerimônia foi a minha “implicância” com o filme The Social Network que você bem traduziu em palavras. Se este filme ganhasse os prêmios principais, seria mais um escorregão do oscar em minha opinião. Reafirmo, se quer ver um filme do mesmo estilo de The Social Network mas que certamente você não conhece e não teve o mesmo hype, assista a “Piratas do Vale do Silício” pois, sim, Bill Gates e Steve Jobs tem um história muito, mas muita mais excitante e merecedora de premiação que este filme bobo, onde o que achei legal foi o ator conseguir replicar a fala ansiosa e rápida de Zukenberg.

    Pela manhã fui conferir os ganhadores e qual minha alegria ao ver que, cada qual foi JUSTAMENTE premiado. INCEPTION ganhou os prêmios que lhe cabiam, The King’s Speech mais que merecido, e até mesmo o The Social Network pois foi lhe dado o que lhe cabia.

    Enfim, não entendo o pessoal da imprensa que fica falando que foi “previsível”, etc e tal. Oras, se o Oscar faz besteira, criticam, se ACERTAM, criticam também? Definivamente não acredito que seja somente eu o “implicante” =)

    Por fim, avalio o pouco que lí e vi e, quem sabe, no próximo ano as coisas transcorram de forma normal sem “Filmes Hype” e eu possa voltar a TORCER durante a premiação, como no excelente ano de 2010?

    abraços!

    Curtir

    1. Oi Reinaldo!

      Pois é, complicada a transmissão do Oscar na TV aberta nestes últimos anos. Eu acabei assistindo o tapete vermelho e grande parte da cerimônia através de canais estrangeiros na internet mesmo.

      hehehehehe. Sim, eu conheço a tua “implicância”, como você mesmo a qualificou, a respeito de The Social Network. E sabes também que discordamos sobre este filme porque, diferente de você, eu vejo outras qualidades na produção. Especialmente no roteiro do Sorkin, que acertou muito a mão na análise bastante acurada que ele consegue fazer sobre esta “geração Zuckerberg” e seus valores. Mas enfim, sabes que eu respeito esse teu desprezo pelo filme. 🙂

      Concordo contigo que a maioria das entregas deste ano foram bastante justas. Algumas estatuetas foram para pessoas/filmes que eu não concordo, exatamente, porque não achei os melhores na disputa deste ano. Mas isso também faz parte da história do Oscar. Sempre há algumas injustiças, assim como justiças ou “acerto de contas” tardios. Faz parte.

      Olha, a verdade é que grande parte da premiação foi previsível. Mas houveram também algumas surpresas. Mas isso rola todos os anos. E se as pessoas estão acertando mais nas apostas é porque a disputa está polarizada mesmo. Então não é algo para videntes, mas apenas para pessoas que entendem como funciona a indústria do cinema dos Estados Unidos, o que ela quer e a quem vai premiar. Apenas isso. Agora, de fato houveram menos surpresas estes ano do que no ano passado, por exemplo, inclusive entre os indicados – antes mesmo de decididos os que seriam premiados.

      Sobre o próximo Oscar, só o tempo dirá o que teremos pela frente. Acho que a próxima safra será bem variada de temas e de gêneros. Logo mais, quando chegar o final do ano, saberemos melhor.

      Um grande abraço e volte sempre! Como podes ver, demoro para responder, mas estou colocando a conversa em dia – e nas próximas vezes serei mais rápida no gatilho. Inté!

      Curtir

  3. Essa foi uma das festas mais previsíveis e pouco inspiradas do Oscar. Com tantos filmes excelentes nesse ano (A Rede Social, Cisne Negro, 127 horas e mesmo Inverno da Alma), vão premiar o “filminho” mais convencional e bonitinho do ano!. É bom, mas longe de ser um grande filme, e não chega aos pés dos trabalhos ousados e originais do Fincher e Aronofsky, por exemplo!
    Mas é claro, foi feito para ganhar o OScar, tem a cara que a academia adora.
    E é previsível mesmo, sempre foi e vai ser sempre! O mais ousado que eles conseguiram nesse ano foi indicar o grego Dente Canino, isso foi realmente surpreendente para o Oscar!
    Uma pena, pq achei a safra de filmes desse ano realmente muito boa!

    Curtir

    1. Oi Diogo!

      Então, concordo contigo que o Oscar ainda não foi ousado na escolha dos premiados principais. Mas acho que a premiação já avançou bastante, nos últimos anos – ou até mesmo na última década – na seleção dos filmes concorrentes.

      Não achei The King’s Speech tão “indústria” assim. Acho que ele tem uma boa dose de inovação. Só que de forma distinta, se comparado com The Social Network, por exemplo.

      Achei, após assistir a Inside Job, que o Oscar foi um pouco ousado em premiá-lo, por exemplo. E na indicação do filme grego, concordo contigo. Bem, nos últimos anos eu sempre vejo alguma evolução nas escolhas da Academia, mesmo que a maioria delas estejam resumidas apenas aos indicados… mas isso já é um avanço.

      Acredito que estas mudanças tem a ver com uma lenta mas gradativa renovação dos votantes da Academia. Acho que dentro de uma década poderemos assistir a mudanças ainda maiores. Mas algo de tradição, sempre teremos também…

      Muito obrigada pela tua visita e pelo teu comentário. Espero que voltes por aqui mais vezes.

      Um abraço e inté!

      Curtir

  4. Você não é a mesma menina que escreveu uma critica positiva ao ridículo “Eu sei quem me matou” a 3 anos é?

    Bom o seu texto, sóbrio, não falou bobagens, estou impressionado.

    Desculpe a sinceridade, mas resolvi visitar o blog pois estava buscando alguma bobagem, e lembrei da tal critica ao “Eu sei quem me matou” =D.

    Me surpreendi positivamente, lerei mais dos seus textos a partir de agora….

    Caramba sua opinbião foi muito igual a minha, agora que estou ainda mais impressionado, tirando alguns pontos. Se quiser conferir também escrevi um “review” do oscar em meu blog….

    Até… E parabéns pelo trabalho.

    Curtir

    1. Oi Luiz!

      hahahahaha

      Olha, não posso dizer que escrevi uma crítica positiva. Afinal, dei a nota 8 para o filme. Ok, não foi uma nota ruim, mas é porque não achei I Know Who Killed Me tãoooo péssimo assim. Tenho outros na lista que achei muito piores.

      Mas enfim, a percepção sobre escrever ou não “besteiras”, como você disse, depende muito das nossas paixões, não é mesmo? E como cinema desperta paixões… entendo quando alguém fica indignado quando eu escrevo algo que a pessoa não concorda. Mas ainda bem que a internet é um espaço democrático no qual tanto a minha opinião quanto a sua são válidas, não é mesmo? 🙂

      Obrigada pelo teu elogio, desta vez. O que só demonstra algo que eu sempre digo: não existem anjos ou demônios. E sim impressões ligeiras que podemos fazer das pessoas. Certa vez, você achou abominável o que eu escrevi. Desta vez, na situação do Oscar, achou bom. Então talvez eu esteja no meio do caminho… 🙂

      E valeu pela tua nova visita e pelo teu novo comentário. Espero que voltes por aqui mais vezes. Seja para concordar ou para discordar de mim – desde que pacificamente, é claro. hehehehe

      Um grande abraço e inté!

      Curtir

  5. apesar de adorar cinema, é curioso como ainda não consegui despertar o devido interesse pelo oscar. Talvez devido aquele excesso de pompa. Um tributo a exaltação da riquesa e da aparência que a mídia ajudou a criar com o passar dos anos. Tira um pouco (ou muito) da graça.

    bjo Ale, continuo sempre por aqui

    Curtir

    1. Oi Mangabeira!

      Pois então, entendo o teu “sentimento” a respeito do Oscar. Também acho ele exagerado. Como tantas e tantas outras tradições.

      Muito badalado, ele não é, necessariamente, justo. Ou equilibrado. Claramente ele defende certos interesses – da indústria de Hollywood. E cheira um pouco a mofo, ainda que venha passando por uma certa renovação nos últimos anos.

      Eu assisto e gosto porque acho divertido, apesar (e também por causa) dos exageros, excessos. Acho um espelho interessante de Hollywood. Vejo todo aquele “jogo de cena”, nos bastidores, também como algo a ser analisado. Tudo me diverte, na verdade. Mas com aquele olhar crítico regular.

      Fico muito feliz com as tuas aparições, por aqui, volta e meia. Volte sempre, viu?

      Beijos e inté!

      Curtir

  6. Jura que você achou bom o Tom Hooper ter vencido?? De todos os diretores indicados, ele era o mais fraco, o mais limitado, o menos original…achei tão decepcionante!

    Claro que Discurso iria ganhar, mas não fiquei feliz com o prêmio. Firth merecia? Sem dúvida. Mas o filme, não. Se o mundo fosse uma ilusão, eu diria que Toy Story 3 é o indicado mais forte. Ok, voltando à realidade, acho que Cisne Negro, A Origem e A Rede Social eram candidatos muito (MUITO) mais consistentes…enfim.

    Ótimo post! Bjos

    Curtir

    1. Oi mairagiosa!

      Pois então, eu não achei a vitória de Tom Hooper ruim. Na verdade, acho que ele fez um belo trabalho de “recriação” e tornou uma história que poderia ser considerada “ordinária” em algo bastante interessante. Ele não era o meu preferido, é claro – sempre vou torcer pelo Aronofsky -, mas não achei ruim ele ganhar.

      Também não desaprovei a vitória de King’s Speech. Eu teria ficado decepcionada se Inception tivesse ganho, por exemplo. E acho que pela lógica do Oscar, eles até que foram bem este ano.

      Mas gostos, percepções e impressões diferentes fazem parte deste jogo chamado gostar de cinema, não é mesmo? Respeito as tuas opiniões diferentes, ainda que discorde e tenha outras preferências.

      Muito obrigada pela tua visita e pelo teu comentário. Espero que voltes por aqui muitas vezes ainda. A gente discordando ou concordando. 🙂

      Abraços e inté!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s