Forushande – The Salesman – O Apartamento


forushande1

Um filme surpreendente, sutil e contundente ao mesmo tempo. Forushande é surpreende na história, sutil na narrativa e contundente na mensagem. Mais um trabalho excepcional do diretor Asghar Farhadi. O ideal é que você, como eu, procure saber o menos que puder do filme antes de assisti-lo. Só assim Forushande terá o impacto em você da forma correta e como o diretor imaginou.

A HISTÓRIA: Começa mostrando uma cama. Luzes de teatro. A iluminação é ajustada para mostrar não apenas um sofá, mas também uma mesa e cadeira. Depois, a luz ilumina duas camas. Enquanto o cenário da peça está sendo finalizado, ouvimos os atores aquecendo a voz. Corta. Emad (Shahab Hosseini) é acordado pelos vizinhos, que evacuam o prédio porque ele está ruindo. Do lado de fora, um trator trabalha no solo e prejudica a estrutura do prédio em que Emad morava com Rana (Taraneh Alidoosti).

Os dois, que são atores de teatro e encenam juntos a peça que começamos a ver no início da produção, acabam ficando sem casa. Eles procuram um lugar para ficar, e o colega deles da peça, Babak (Babak Karimi), afirma que pode ajudá-los. É assim que eles se mudam para o apartamento que Babak tem disponível para alugar.

VOLTANDO À CRÍTICA (SPOILER – aviso aos navegantes que boa parte do texto à seguir conta momentos importantes do filme, por isso recomendo que só continue a ler quem já assistiu a Forushande): Alguns filmes, pelos nomes envolvidos na produção e/ou pelo número de prêmios que os cercam, criam uma grande expectativa. Eu tinha uma grande expectativa sobre Forushande. E vocês sabem, quanto maior a expectativa, maior a possibilidade da gente se frustrar com o que vamos assistir.

Mas não foi isso que aconteceu com este filme com roteiro e direção de Asghar Farhadi. O realizador já tem trabalhos brilhantes no currículo, mas este Forushande é, mesmo no contexto dele, um ponto fora da curva. Cada palavra do roteiro tem um propósito, está ali a serviço da narrativa. E o próprio desenrolar da história é muito interessante.

Primeiro o filme nos prega algumas “peças”. Forushande é surpreendente em mais de uma ocasião. Além disso, ele tem a qualidade de tratar o espectador com respeito, valorizando a inteligência e a atenção de quem está assistindo. (SPOILER – não leia se você não assistiu ao filme). Assim, não é evidente quando Emad encontra o dinheiro no apartamento que foi invadido de que o bandido que fez isso estava “pagando” pelos “serviços” da inocente Rana. Essa interpretação terá que ser feita pelo espectador.

Algo que eu acho impressionante neste filme é como ele joga com as simbologias e com os pequenos detalhes significativos todo o tempo. Por exemplo, o filme começa com um prédio sendo destruído pela ambição de alguém. Ora, a história que virá em seguida mostra, na prática, como um lar pode ir às ruínas por causa da atitude e das escolhas das pessoas.

A alegoria do lar em ruínas é um ponto fundamental nesta narrativa. Emad, fruto de sua cultura machista e patriarcal, onde a função do homem é proteger a sua mulher e ser o “provedor” da casa, faz tudo errado depois que a nova casa deles é invadida. Ao invés de ter um olhar de cuidado e de compreensão para a mulher, Rana, vítima de violência gratuita, ele se prende à ideia que a sociedade faz do “macho” da casa e empreende uma busca por vingança angustiante.

Desta forma, Forushande se revela brilhante em dois sentidos. Primeiro, ao fazer o paralelo inevitável entre a vida real de Emad e Rana e das demais pessoas que fazem parte da vida deles e a peça que o casal protagoniza, A Morte de um Caixeiro-Viajante, do dramaturgo Arthur Miller.

Qual é a essência da peça de Miller? Ele trata de um vendedor que não é bem-sucedido em sua vida profissional e que, desta forma, não importando as suas relações pessoais ou valores, ele é considerado um fracassado. E nada pior para uma sociedade que mede as pessoas pelo seu sucesso do que alguém ser fracassado. Miller escancara, assim, os valores do “sonho americano” e a sua hipocrisia.

Pois bem, agora vamos pensar na história central deste filme. Emad, apesar de ser um sujeito inteligente e “culto” – afinal, ele é professor e ator de teatro -, reproduz exatamente o que a sociedade dele exige. Quando a casa dele é invadida e Rana é agredida, Emad assume para si a posição de fracassado. Afinal, segundo a sociedade em que ele vive, a sua função primordial é dar segurança para a mulher e prover a casa em que eles vivem.

O filme não deixa totalmente claro, assim como outros pontos da história em que vários fatos são sugeridos e não enfatizados, mas tudo indica que Rana foi, mais que agredida, também estuprada. O estupro fica mais que sugerido por três pontos: primeiro, a vergonha da vítima de falar sobre isso, ao ponto dela se recusar a prestar queixa na delegacia; depois pelo fato do crápula deixar dinheiro na casa como uma espécie de “pagamento” pelo sexo e, finalmente, isso fica intrínseco quando o criminoso diz para Emad que caiu em tentação – ora, isso não seria pela violência, não é mesmo? Sim, o crime é mais que ultrajante.

Frustrado por essa cobrança que ele mesmo sente que vem da sociedade, Emad acaba se deixando levar por uma vingança que o próprio coletivo parece “cobrar”. Ao fazer isso, ele não percebe que está virando as costas para a esposa e vítima da situação, Rana. É desta forma que a casa deles desmorona pra valer, não apenas de maneira figurada. Então sim, existe uma razão para termos o paralelo entre a história do casal e a peça de Miller.

Com essa ligação, Farhadi parece nos mostrar como a arte está sempre se apropriando da vida e como a vida, quando não é refletida, pode eternamente repetir a arte (especialmente quando esta reflete padrões sociais). O diretor também demonstra, de maneira muito franca, como pessoas inteligentes, “intelectuais”, pessoas que ajudam a formar outras pessoas e que inspiram muita gente podem também ter comportamentos tão sem reflexão como qualquer outra pessoa “menos culta”.

Para finalizar, algo que achei fantástico neste filme é a mensagem contundente que ele nos deixa no final. Sim, o crime praticado por Naser (Farid Sajjadi Hosseini) é abjeto, desprezível, digno de condenação. Buscar o culpado e saber a verdade é algo totalmente compreensível. Mas o que não dá para concordar é com a busca pela vingança de Emad. Afinal, tudo aquilo que ele fez e o que ele causou para Naser e sua família mudam alguma coisa?

De forma muito sincera e contundente Forushande mostra que a violência só gera violência e não traz nenhum conforto ou alento. Pior do que o crime de Naser foi o que fez Emad. Afinal, se Naser fez o que fez de forma intempestiva – o que não lhe exime de culpa, claro -, Emad sequestrou e foi responsável indiretamente pela morte dele de caso pensado. Então quem tem mais culpa?

Sim, perdoar é algo complicado. Muitas vezes exige grande esforço e tempo. Mas sem dúvida alguma traz um efeito muito mais benéfico do que buscar a vingança ou exigir que o outro pague por um erro praticando um erro ainda maior. Nós não somos ninguém para julgar os outros. Se temos o mínimo de fé, deveríamos deixar o julgamento para quem é de direito julgar.

Forushande, para mim, é um grande exemplo de que apenas o amor e o perdão nos fazem ir para a frente. O restante nos joga para trás e não nos leva a lugar nenhum. A vingança é o caminho certo para a destruição. Seja de uma pessoa, de várias pessoas, ou de um lar. Grande filme, sob todas as óticas. Sem dúvida merece cada um dos prêmios que recebeu e vai receber.

NOTA: 10.

OBS DE PÉ DE PÁGINA: O roteiro de Asghar Farhadi é uma aula de cinema. Assim como a direção dele. O diretor iraniano, possivelmente o mais conhecido e brilhante de seu país, já tinha feitos ótimos filmes – cito os já comentados por aqui Le Passé e Jodaeiye Nader az Simin -, mas este Forushande realmente é especial. Ele é marcante em todos os sentidos, tanto pela história quanto pela narrativa e por cada um dos seus elementos que funcionam de forma magistral.

Acredito que os bons cineastas são como um bom vinho, vão ficando cada vez melhores com o tempo. Isso parece acontecer com Asghar Farhadi. O diretor, que tem 76 prêmios no currículo, tem a possibilidade, com Forushande, de conquistar o seu segundo Oscar. Outro filme feito por ele antes a conquistar uma estatueta dourada foi Jodaeiye Nader az Simin, vencedor em 2012 como Melhor Filme em Língua Estrangeira. Agora, sem dúvida, ele merece levar mais uma estatueta para casa.

Fico pensando sobre como Farhadi é brilhante ao fazer um paralelo entre a hipocrisia das sociedades americana e muçulmana. Esse é um paralelo muito corajoso nos tempos atuais, de extremismo das duas partes. Afinal, a essência da crítica e dos atos abjetos dos extremistas que viram, muitas vezes, terroristas, é de que o Ocidente é uma sociedade pecadora e corrupta, hipócrita, condenável. Mas Forushande mostra como tanto a sociedade americana quanto a retratada neste filme estão doentes.

Onde está a hipocrisia das duas sociedades? Bem, sobre a americana eu acredito que nem preciso dizer. Sobre a mostrada no filme, essa hipocrisia fica clara na falta de transparência e verdade nas relações. Pouco a pouco Emad descobre que todos sabiam que no apartamento no qual ele e a mulher vão viver morava uma prostituta.

Ou seja, eles são colocados em uma situação de risco de forma inocente e por pessoas que eles tinham como amigas, como é o caso de Babak – que era “cliente” da mulher a exemplo do criminoso. Outra característica da hipocrisia da sociedade é que diversos homens casados, a exemplo de Naser, eram clientes da mulher que a sociedade inteira, inclusive eles, falam da boca para fora que é “louca” e que não é digna de qualquer respeito.

Ou seja, como Emad parece sugerir com Rana, a mulher é sempre culpada de tudo, como se o homem que a usa ou condena não fosse parte fundamental do problema ou, muitas vezes, ator fundamental da história. Desta forma, com Forushande, Farhadi deixa muito claro que a sociedade muçulmana não é melhor que a ocidental. Tudo depende das escolhas individuais das pessoas. Os indivíduos podem ser melhores. Se eles buscarem isso, quem sabe as sociedades comecem a melhorar também.

Bem no início do filme, temos uma fala que parece “solta no ar”, mas que não é. Um dos alunos de Emad pergunta para o professor, em uma aula, como alguém pode se transformar em uma vaca – a pergunta surge por causa de um livro que a turma está lendo. O professor responde: gradualmente. Pois bem, uma pessoa culta e “bacana” pode se transformar em um algoz e em um criminoso gradualmente. Para isso, basta ela querer e se deixar levar por “sugestões” da sociedade e pelos seus próprios instintos destrutivos.

O roteiro de Farhadi é a grande qualidade desta produção. A direção dele também é uma aula de cinema. Afinal, ele está sempre valorizando a interpretação dos atores, ponto fundamental desta história. A dinâmica entre eles é um ponto fundamental no filme.

Da parte técnica da produção, vale destacar também a direção de fotografia de Hossein Jafarian, a edição de Hayedeh Safiyari, os figurinos de Sara Samiee, a maquiagem de Mehrdad Mirkiani e a direção de arte de Keyvan Moghaddam.

Como em todos os filmes de Farhadi, onde a interação entre os personagens joga um papel fundamental, em Forushande, mais uma vez, o trabalho dos atores é fundamental. Por isso mesmo o diretor escolhe eles a dedo. Nesta produção, vale destacar, especialmente, o excelente trabalho dos atores Taraneh Alidoosti e Shahab Hosseini. Eles estão fantásticos. Tanto nos momentos de “rompante” quanto nos mínimos detalhes da interpretação. Também faz um belo trabalho em um papel difícil o ator Farid Sajjadi Hosseini. Eles são os destaques do filme.

Outros atores com papéis menores, praticamente pontas, que merecem ser citados são Motjaba Pirzadeh como Majid, genro de Naser; Mina Sadati como Sanam, mulher de Naser; e Sam Valipour como Sadra, filha de Naser.

Algo me incomodou bem no início do filme. Antes de Forushande começar a me surpreender. (SPOILER – não leia se você não assistiu ao filme). Apesar de serem pessoas cultas e “do bem”, Emad e Rana não se importam de tirar todos os pertences da inquilina anterior e colocá-los do lado de fora da casa. Depois dos objetos pegarem chuva, eles resolvem colocá-los novamente para dentro do apartamento. Mas o que me incomodou é que independente de quem era a inquilina anterior ou as razões que a faziam não tirar os objetos da casa logo, realmente eles precisavam fazer aquilo?

Eles não deveriam ter se colocado no lugar da antiga inquilina e terem se perguntado se eles gostariam que aquilo fosse feito com eles na mesma situação? Enfim, quando você para de pensar no que é certo para pensar apenas no que é mais conveniente sem se colocar no lugar do outro é que tudo desanda. Claro que nada disso justifica o que acontece com Rana, mas realmente a nossa sociedade tem problemas porque nós mesmos agimos de forma equivocada com mais frequência do que deveríamos fazer ou aceitar. Está mais que na hora de um exame de consciência individual e coletivo. Aqui em todas a partes.

Sobre a peça de Arthur Miller, existem muitos textos disponíveis na internet. Achei interessante e recomendo este trabalho escrito por Antonius Gerardus Maria Poppelaars e Sandra Amélia Luna Cirne de Azevedo e publicado na Revista Estudos Anglo-Americanos. O bacana do texto é que ele faz um paralelo do trabalho de Miller e a ilusão do sonho americano.

Os usuários do site IMDb deram a nota 8,2 para a Forushande, enquanto os críticos que tem os seus textos linkados no Rotten Tomatoes dedicaram 95 críticas positivas e apenas três negativas para a produção, o que lhe garante uma aprovação de 97% e uma nota média de 8,1. As duas avaliações são bastante positivas se levarmos em conta os padrões do site. O filme merece.

Forushande é uma coprodução do Irã e da França.

Esta produção estreou no Festival de Cinema de Cannes em maio de 2016. Depois o filme participou de outros 28 festivais em diversos países. Nesta trajetória o filme ganhou sete prêmios e foi indicado a outros 18, incluindo uma indicação para o Oscar como Melhor Filme em Língua Estrangeira.

Entre os prêmios que recebeu, destaque para os de Melhor Ator para Shahab Hosseini e de Melhor Roteiro no Festival de Cinema de Cannes; para o de Melhor Filme em Língua Estrangeira no National Board of Review; para o Melhor Filme Internacional no Festival de Cinema de Munique; para o de Melhor Filme Internacional no Satellite Awards; e para o de Melhor Filme segundo escolha do público no World Cinema Amsterdam.

Não encontrei informações sobre o quanto Forushande custou, mas apenas nos Estados Unidos o filme fez uma bilheteria de pouco mais de US$ 1,25 milhão. Nada mal para um filme estrangeiro no país.

Forushande foi totalmente rodado na cidade iraniana de Tehran.

Agora, duas curiosidades sobre esta produção. Forushande quebrou o recorde de um final de semana de estreia no Irã. Sucesso total de público, pois.

As rodagens do filme foram interrompidas devido a morte súbita de Yadollah Najafi, famoso gravador de som que atuou na produção.

Meus bons amigos e amigas do blog, este é último texto que eu publico por aqui neste formato que vocês conhecem há bastante tempo. Hoje à noite eu farei por aqui mais uma cobertura do Oscar e, a partir da semana que vem, vou mudar o formato das publicações aqui no blog. Logo mais conto todos os detalhes para vocês. Beijos e abraços e até mais!

CONCLUSÃO: Um filme sobre como uma casa pode ruir de maneira figurativa e na prática. Forushande trata desse e de vários outros temas, mas com uma atenção maior para os efeitos nocivos e permanentes que a vingança traz para uma casa – ou mais de uma. Como é comum nos filmes do diretor Asghar Farhadi, em Forushande refletimos obrigatoriamente sobre uma sociedade patriarcal, onde as mulheres tem claramente menos direitos do que os homens, por mais que nas aparências não pareça assim.

Este filme certamente fará sentido de forma diferente para cada pessoa. Para mim, além de tratar de vingança e de perdão, de violência e da escolha ou não pela perpetuação dela, Forushande trata sobre algo muito importante: que pessoas cultas não são sinônimo de boas ações, ou atitudes certas. Enfim, um filme que faz pensar em muitos pontos da nossa sociedade ou de tantas outras mundo afora. Com um roteiro incrível, um ritmo cadenciado, boas surpresas e atores afinados, eis mais uma grande produção de uma safra realmente diferenciada do Oscar.

PALPITES PARA O OSCAR 2017: A disputa deste ano na categoria Melhor Filme em Língua Estrangeira tem dois grandes competidores e três filmes que concorrem por fora. A maior queda-de-braço será feita entre o alemão Toni Erdmann (comentado aqui) e o iraniano Forushande.

Quem acompanha sempre o blog já matou a charada sobre a minha preferência, não é mesmo? Sem dúvida alguma eu acho Forushande mais merecedor da estatueta dourada do que Toni Erdmann. Não que o filme alemão seja ruim. Mas acho ele muito menos interessante e bem acabado do que o filme de Asghar Farhadi.

Se eu fosse votar nesta categoria do Oscar, nenhuma dúvida sobre o voto para Forushande. Nas bolsas de apostas Toni Erdmann estava à frente boa parte do tempo, mas nas últimas semanas Forushande ganhou a dianteira. Eu espero que os apostadores e especialistas estejam certos.

Entre os outros concorrentes deste ano, acho inclusive A Man Called Ove (com crítica neste link) e Land of Mine (comentado aqui) mais interessantes, bem acabados e/ou surpreendentes que Toni Erdmann. O filme que realmente corre por fora e atrás é Tanna (com crítica aqui). Resumindo, espero que na noite deste domingo a Academia faça justiça e dê mais um Oscar para Farhadi e o seu Forushande.

Anúncios

3 comentários em “Forushande – The Salesman – O Apartamento

  1. Olá. Curiosamente vi esse filme há poucos dias atrás. Raramente faço, mas quando gosto muito vou pesquisar o que o diretor ou atores acharam do trabalho. Achei alguns videos do diretor Asghar Farhadi falando a respeito, como exemplo desse aqui, para o site Film Courage – https://www.youtube.com/watch?v=Rv6a6UlcyVw

    Interessante que segundo ele, as “peças” ou mensagens, que você cita muito bem e que aparecem no filme surgem posteriormente, após ele ter escrito o primeiro rascunho do filme. Ele vai quebrando aos poucos depois e inserindo essas determinadas charadas, se podemos chamar assim. E ainda segundo ele, quase inconscientemente essas idéias vão surgindo.
    Ele também afirma que a peça se encaixou no seu roteiro e não o contrário.

    Depois ele destaca que realmente não gosta quando pessoas assistem o filme sobre um ponto de vista extremamente cultural e assegura que a ideia principal não é focada na sociedade iraniana e sim em pessoas, simplesmente, como em qualquer parte do mundo. Na verdade assisti mais de uma entrevista e ele realmente não faz questão alguma de falar muito sobre irã, no que diz respeito a fator determinante ou de influência em seus filmes.

    Adorei sua crítica e o esclarecimento dos pontos chaves que vão aparecendo, mas realmente não acredito em nenhuma grande mensagem que ele porventura possa ter projetado com essa obra. Pelo que entendi do filme e pelo que ele fala em suas entrevistas, o seu grande objetivo é retratar pessoas na essência, independente de geografia ou credo. Na maioria das vezes somos previsíveis demais e acho que isso acaba passando batido. Nada como um filme simples e ao mesmo tempo riquíssimo em comportamento humano como esse, para nos lembrar disso.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s